quarta-feira, 27 de julho de 2016

“VIVENDO E APRENDENDO” - Criação da Vida e Vida após a morte - (A Visão Budista) - Por Neo Cirne

“VIVENDO E APRENDENDO”


- Criação da Vida e Vida após a morte -
(A Visão Budista)

O budismo explica a vida por meio do princípio do Kuon ou eternidade. Nitiren Daishonin esclarece esse conceito no “Registro dos Ensinos Orais”, dizendo: “Kuon significa não ser criado e nem adorado, mas permanecer na existência original”.

Nitiren Daishonin
Não ser criado nem adorado significa que a vida não é alguma coisa criada numa determinada época, mas que existe originalmente desde o infinito passado, é inerente ao Universo. Significa também que a vida em si não é algo que possa ser alcançado pelos nossos cinco sentidos. A vida não é uma realidade física viva. Embora seja possível ver os incontáveis aspectos físicos e espirituais da vida, é dificílimo compreender que a própria vida é efeito das incessantes transformações perceptíveis dela própria.

“Permanecer na existência original” significa que a vida tem existência eterna. Portanto, sobre o ponto de vista budista a vida existe desde o ‘infinito passado’ ao ‘infinito futuro’, alternando-se entre duas formas da realidade, que denominamos vida e morte.

Evidentemente, é mais fácil obter conhecimento sobre os seres vivos. Somos capazes de observar a aparência de uma pessoa e, baseados em nossas percepções de voz, expressões físicas e ações, podemos conhecer bastante sobre as funções espirituais que se desenvolvem em seu interior. Entretanto, quando se trata de morte, fica muito mais difícil explicar por que, nesse estado, uma entidade não manifesta nenhuma de suas funções físicas ou espirituais. Como ninguém consegue ver a vida nesse estado por meio dos cinco sentidos, muitos sentem profundamente que a vida desaparece completamente com a morte. Porém, na realidade, a vida continua a existir, modificando-se apenas o estado de sua existência.

Em “Diálogo sobre a Vida”, o presidente Ikeda dá a seguinte explanação sobre Kuon em termos de vida e tempo:

‘A essência da vida cósmica, provocando as mudanças fenomenais do crescimento, maturidade, declínio e kuu, expande-se no infinito do espaço-tempo. Expande-se devido ao Kuon, que está contido nas profundezas do Universo nesse exato momento, e ao afloramento da energia cósmica denominada Nam-myoho-rengue-kyo. O mundo real existe num único momento presente - não no passado ou no futuro.'

A folha de balanço do carma de uma pessoa, formado durante a vida atual, decidirá o grau de prazer ou dor que ela experimentará no período da morte. A duração desse período é também decidida pela folha de balanço do carma. Quanto mais leve o carma, isto é, quanto mais elevada a condição interna da vida logo antes da morte, menor será a duração da vida no estado de morte. Terminado esse período, a vida novamente aparece no mundo e manifesta novamente as suas funções físicas e espirituais.

Quanto aos aspectos da “nova” vida, as diferenças individuais, tais como aparência, inteligência e talento; a família, que pode ser feliz, rica ou pobre; e os múltiplos aspectos da sua sociedade e da terra - tudo isso reflete agudamente o carma formado nas suas existências anteriores.



FONTE:
- Extraído do Livro Guia Prático do Budismo.
- Editora Brasil Seikyo (2002)


-0-0-0-



OPINIÃO TIM-TIM!

Hoje trouxemos até vocês uma visão bem importante da existência da vida e da morte. Vimos a opinião budista sobre um tema delicado. Nela observamos que a vida é eterna, visto que é fruto da obra de Deus, criador do céu e da terra. Sei que para nossa cultura a visão dos povos orientais é sempre uma agradável surpresa, mas na conceituação de vida e morte somos bem parecidos.

 Acreditamos que a similaridade com os elementos químicos existente em todos os astros reafirma a infinitude do passado e do presente. Nesse longo espaço de tempo vamos transitando e modificando nossos carmas, porém levamos em nossos corpos os mesmo elementos químicos existentes em qualquer parte do Cosmos.

Acredito, piamente, que a vida não pode ser observada apenas com a limitação dos cinco sentidos, há algo a acrescentar na formação da vida.  Esse algo, que é indispensável à vida, só pode ser a manifestação espiritual, que interliga todos nós e conecta-nos com o Universo, ou seja, com Deus.

Deus não faria uma obra que fosse finita e não tivesse uma razão para existir. Certamente, a razão passará pelo nosso aprimoramento espiritual.
Portanto, a vida continua, mesmo que alguns neguem ou desconsiderem as Leis Universais. Somos todos irmãos, sejamos católicos, budistas, espíritas, ortodoxos, hinduístas, protestantes, adoradores de qualquer religião ou ateus. Somos constituídos de matérias idênticas que podem ser encontradas aqui na Terra ou em qualquer outra galáxia.

A conexão entre as pessoas, os animais, a flora, a natureza, enfim, entre todos, é perfeita. Tudo que fazemos de bom e de mal reverberará em nós, seja positiva ou negativamente. 

A vida só podia ser uma obra de Deus, portanto, apressemo-nos com o nosso aprimoramento. Façamos o bem e agradeçamos ao Grande Arquiteto dessa grande obra.

Que Deus abençoe a todos nós!

Tim-Tim!


Neo Cirne

Colunista de UBAV-Brasil

LIRA POÉTICA - - A poesia de Vinícius de Moraes e Augusto Cury - - Por Neo Cirne

LIRA POÉTICA



Olá amigos! Hoje apresentaremos duas poesias especiais, uma do grande mestre do Amor, Vinícius de Moraes - AUSÊNCIA. A segunda, SONHOS, pertence ao querido amigo de UBAV-Brasil, Augusto Cury, brilhante escritor contemporâneo.

Vamos começar bem o dia, não é verdade? Então, vamos lá! 
Desejo um dia bem feliz para todos vocês.



PRIMEIRA POESIA


Ausência



Eu deixarei que morra em mim o desejo de amar os teus olhos que são doces
Porque nada te poderei dar senão a mágoa de me veres eternamente exausto.
No entanto a tua presença é qualquer coisa como a luz e a vida
E eu sinto que em meu gesto existe o teu gesto e em minha voz a tua voz.


Não te quero ter porque em meu ser tudo estaria terminado.
Quero só que surjas em mim como a fé nos desesperados
Para que eu possa levar uma gota de orvalho nesta terra amaldiçoada
Que ficou sobre a minha carne como uma nódoa do passado.

Eu deixarei... Tu irás e encostarás a tua face em outra face.
Teus dedos enlaçarão outros dedos e tu desabrocharás para a madrugada.
Mas tu não saberás que quem te colheu fui eu, porque eu fui o grande íntimo da noite.
Porque eu encostei minha face na face da noite e ouvi a tua fala amorosa.
Porque meus dedos enlaçaram os dedos da névoa suspensos no espaço.
E eu trouxe até mim a misteriosa essência do teu abandono desordenado.

Eu ficarei só como os veleiros nos pontos silenciosos.
Mas eu te possuirei como ninguém porque poderei partir.
E todas as lamentações do mar, do vento, do céu, das aves, das estrelas, serão a tua voz presente, a tua voz ausente, a tua voz serenizada.

Vinícius de Moraes

Vinícius de Moraes (1913-1980) foi um poeta, compositor, dramaturgo, jornalista, roteirista e diplomata brasileiro. Sua música "Garota de Ipanema", composta em parceria com Tom Jobim, é uma das mais importantes canções da história da música brasileira.





SEGUNDA POESIA


OS SONHOS

Os sonhos não determinam o lugar onde vocês vão chegar, mas produzem a força necessária para tirá-los do lugar em que vocês estão.

Sonhem com as estrelas para que vocês possam pisar pelo menos na Lua.

Sonhem com a Lua para que vocês possam pisar pelo menos nos altos montes.

Sonhem com os altos montes para que vocês possam ter dignidade quando atravessarem os vales das perdas e das frustrações.

Bons alunos aprendem a matemática numérica, alunos fascinantes vão além, aprendem a matemática da emoção, que não tem conta exata e que rompe a regra da lógica.

Nessa matemática você só aprende a multiplicar quando aprende a dividir, só consegue ganhar quando aprende a perder, só consegue receber, quando aprende a se doar.


Augusto Jorge Cury (1958) é um psiquiatra e escritor brasileiro. Um grande orientador motivacional, possuidor de uma capacidade notável de produzir grandes livros. É o idealizador da Escola do Pensamento, uma nova forma didática de pensar a vida. Augusto Cury foi o autor da frase campeã do 6º Concurso de Frases de UBAV-BRASIL, em 2011, foi agraciado com uma 'placa comemorativa' pela conquista do feito. O brilhante escritor nos recebeu em 2012, em sua escola, na cidade de Ribeirão Preto/SP, concedendo-nos um momento inesquecível. A foto da placa, acima e o momento da entrega, abaixo. 

Neo Cirne e Augusto Cury
- Março de 2012 -
  


A seção de poesia, Lira Poética será editada uma vez por mês, sempre na última semana. Achamos que a poesia, assim como o amor, está em falta nos dias violentos e globalizados que vivemos. Infelizmente, devido à condição humana, falar de amor e poesia não reverbera tanto quanto falar de hostilidade e violência. Precisamos mudar essa condição que atrasa e separa a humanidade.

Abra o seu coração e deixe a poesia entrar, só isso será um grande passo para um futuro melhor.

Tim-Tim!

Neo Cirne
Colunista de UBAV-Brasil

Um Brinde À Vida Copyright © 2011 | Tema Desenhado por: compartidisimo | Distribuído por: Blogger