sexta-feira, 11 de novembro de 2016

LIRA POÉTICA - - Poesias selecionadas especialmente para você - - Em destaque: Mário Quintana

LIRA POÉTICA
- Poesias selecionadas especialmente para você - 




EM DESTAQUE: MÁRIO QUINTANA 


BORBOLETAS

- Mário Quintana -

Quando depositamos muita confiança ou expectativas em uma pessoa,

o risco de se decepcionar é grande.

As pessoas não estão neste mundo para satisfazer as nossas expectativas,

assim como não estamos aqui, para satisfazer as delas.

Temos que nos bastar… nos bastar sempre e

quando procuramos estar com alguém,

temos que nos conscientizar de que estamos juntos porque gostamos,

porque queremos e nos sentimos bem, nunca por precisar de alguém.

As pessoas não se precisam, elas se completam… não por serem metades,

mas por serem inteiras, dispostas a dividir objetivos comuns, alegrias e vida.

Com o tempo, você vai percebendo que para ser feliz com a outra pessoa,

você precisa em primeiro lugar, não precisar dela.

Percebe também que aquela pessoa que você ama (ou acha que ama)

e que não quer nada com você,

definitivamente, não é o homem ou a mulher de sua vida.

Você aprende a gostar de você, a cuidar de você,

e principalmente a gostar de quem gosta de você.

O segredo é não correr atrás das borboletas

e sim cuidar do jardim para que elas venham até você.

No final das contas, você vai achar, não quem você estava procurando,

mas quem estava procurando por você!







As Mãos do Meu Pai


As tuas mãos tem grossas veias como cordas azuis
sobre um fundo de manchas já cor de terra
— como são belas as tuas mãos —
pelo quanto lidaram, acariciaram ou fremiram
na nobre cólera dos justos...

Porque há nas tuas mãos, meu velho pai,
essa beleza que se chama simplesmente vida.
E, ao entardecer, quando elas repousam
nos braços da tua cadeira predileta,
uma luz parece vir de dentro delas...

Virá dessa chama que pouco a pouco, longamente,
vieste alimentando na terrível solidão do mundo,
como quem junta uns gravetos e tenta acendê-los contra o vento?
Ah, Como os fizeste arder, fulgir,
com o milagre das tuas mãos.

E é, ainda, a vida
que transfigura das tuas mãos nodosas...
essa chama de vida — que transcende a própria vida...
e que os Anjos, um dia, chamarão de alma...





Espero que tenham gostado das duas poesias 
do querido poeta gaúcho, Mário Quintana.


Tim-Tim!