sábado, 26 de novembro de 2016

COMO SE FOSSE A PRIMEIRA VEZ - - Texto de Neo Cirne

A vantagem de ter péssima memória é divertir-se muitas vezes com as mesmas coisas boas como se fosse a primeira vez.
(Friedrich Nietzsche)

 

 - Acho bem interessante essa reflexão atribuída ao filósofo, escritor e filólogo alemão Friedrich Nietzsche que viveu no século XIX e teve forte influência em seus pensamentos de Arthur Schopenhauer, Platão e Immanuel Kant. Ele era muito crítico e contestador, vivia em conflito com suas próprias ideias e sua maneira de socializar-se. Por uns, foi considerado um gênio, por outros, um ‘bigodudo doidão’ e por alguns o verdadeiro ‘anticristo’ por romper barreiras morais. Tentar entender suas mensagens requer uma dose extra de “fosfato” - substância indispensável ao raciocínio - mas na verdade ele nos deixou grandes reflexões sobre comportamento e a vida. 

Por trás de suas palavras sempre existia a possibilidade da divergência, do questionamento. Dentro de sua maneira conflitiva de viver, na maioria das vezes, não encontrava a resposta de suas dúvidas, por ter um grande senso crítico. Criticava a si próprio, criticava a sociedade e a figura de Jesus Cristo, daí ser considerado um ‘anticristo’. Em seu comportamento pessoal rompia barreiras e mergulhava profundamente em seus questionamentos em busca de razões e soluções. Quando ficou descrente de suas convicções, deixou-se abater pela doença, desligou-se do mundo, morrendo num manicômio.


 Friedrich Nietzsche

Tipos de pessoas como Nietzsche transformaram o pensamento e deram uma ‘apimentada’ no senso crítico da época. A simples frase do filósofo, com que começamos esse comentário, ilustra bem o sarcasmo de suas palavras com a fragilidade da mente humana. Quem, em sã consciência, veria alguma vantagem em ter péssima memória e parecer um bobo repetindo as mesmas coisas? Talvez alguns idosos que perderam a referência de seus bens e pessoas queridas ou alguns doentes terminais, que não têm mais esperança. Sofrem principalmente pela perda de tempo na vida, pois, nesse caso, a lembrança reaviva a cobrança pela maneira que tivemos em lidar com a vida.

Todos nós devemos lembrar de tudo que fizemos e agradecer pelos ‘erros’ e pelos ‘acertos’, entendendo que, se erramos, temos sempre uma oportunidade de ‘reparar’ o erro tomando novas atitudes, pois os erros ensinam novos caminhos para a vitória. Quanto a agradecer pelos acertos, isso é mais do que uma obrigação, é uma necessidade que nos faz imensamente bem.

Mas agradecer a quem? Agradeça a Deus, o criador do céu e da terra, o grande arquiteto do Universo, essa obra maravilhosa na qual estamos inseridos. Nunca tenha dúvida da existência e doce presença de Deus em nosso caminhar. Algumas vezes, tropeçamos e caímos, noutras passamos com facilidade pelos obstáculos da vida, nas duas situações é necessário agradecer sempre.

Que nossas mentes lembrem com orgulho e prazer tudo de bom que realizamos, das pessoas que ajudamos, da família que tivemos, dos amores que tivemos, das oportunidades de ‘entrar em cena’ no grande ‘Palco da Vida’ dizer o nosso mais bonito texto e, por ele, ser lembrado por muitos anos.

As coisas na vida são muito fugazes, passam com rapidez... 
O tempo passa com uma velocidade incrível. 


Se você tem 40 anos e acha que já viveu muito, imagine-se alegre e feliz com 70 e agradeça as quatro décadas já vividas. Habitue-se com o seu envelhecer, afinal essa é uma condição natural que desejamos demais. Agora, se você já tem 70 anos deve fazer de tudo para saborear a vida com mais intensidade e agradecer a Deus a longa caminhada, pedindo-Lhe, naturalmente, alguns anos mais de estrada. A vida é boa demais!

Não faça o que Nietzsche diz em sua frase, comentando que ‘é bom ter péssima memória’ e ficar se alegrando em repetir as mesmas coisas que já fez. Mude o jogo! Cada dia é uma parcela de vida. Busque, realize, namore, ajude, construa, exercite-se, busque o seu melhor, tal qual um bom vinho que quanto mais velho mais saboroso fica.

Sempre há algo novo a aprender na vida, independente do tempo. 
Nunca é tarde... Nunca é cedo. 


Reavive suas velhas e gostosas lembranças, como se fosse a primeira vez, isso lhe fará bem, mas busque realizar coisas novas que lhe deem prazer. Seja grato e justo agradecendo a Deus a sua incrível experiência de viver.


Tim-Tim!


Neo Cirne

Colunista de UBAV-BRASIL 

quarta-feira, 23 de novembro de 2016

QUARTA CRÔNICA APRESENTA: 'A MESA DA COZINHA' - De Martha Medeiros

É sempre um prazer lembrar em nosso espaço, destinado a uma boa crônica, o nome da escritora gaúcha Martha Medeiros. Cronista de palavra fácil e sensível. Capaz de encontrar em pequenos detalhes do dia a dia uma boa história pra contar. Na crônica de hoje ela fala da importância de um objeto de cozinha, a mesa. Um lugar especial que todos têm em suas casas e onde se vive momentos importantes.
  Achei interessante socializar essa passagem do livro ‘Felicidade Crônica’, da autoria de ‘Martha Medeiros’ e publicado pela ‘Editora L & PM’. Aproveitem o dia começando bem e lendo uma deliciosa crônica.
Tim-Tim!
Neo Cirne


A MESA DA COZINHA

- Crônica de Martha Medeiros -


 A mesa da cozinha é o local sagrado das conversas durante a madrugada, quando os irmãos chegam da balada com a fissura por um gole de Coca-Cola e com histórias saindo pela boca: com quem ficaram ou não ficaram, o trajeto que fizeram para driblar a blitz, o preço da cerveja, e aí as amenidades evoluem para a filosofia, a necessidade de extrair da vida uma essência, a tentativa de escapar da insignificância, até que o dia começa a clarear e o cansaço avisa que é hora de ir pra cama.

Para alguns casais, a mesa da cozinha já serviu de cama, aliás.

A mesa da cozinha ouviu confissões de amigas que juraram guardar segredo, mas não conseguiram. O amante, a traição, a culpa, o nunca mais. A mesa escuta e não espalha, reconhece a inocência das fraquezas alheias e se sente honrada por ser confidente de tantas vidas.

A mesa da cozinha escutou o que os convidados não comentaram na sala, viu estranhos abrirem a geladeira atrás de algo mais substancial que canapés, suportou o peso de quem resolveu sentar sobre ela para fumar um cigarro antes de voltar para o burburinho da festa.

A mesa da cozinha já foi o cenário de toda espécie de solidão. Mas também de encontros. Viu o casal de namorados preparar, sem receita, seu primeiro salmão ao molho de manga, viu o menino nervoso abrir a sua primeira garrafa de vinho para uma menina não menos nervosa, viu um beijo secreto entre primos cuja família comemorava o Natal em torno da árvore, viu o marido se declarar para a esposa viciada em grifes ao surpreendê-la com um simples avental amarrado em torno da cintura.

A mesa da cozinha já viu a mãe preparar a primeira mamadeira às três da manhã, com cara de sono e felicidade. E o pai da criança, a caminho da área de serviço, segurando uma fralda suja com a expressão de nojo, mas também de orgulho. A mesa da cozinha viu a funcionária sentar no banquinho e, durante uma trégua entre um suflê e um pavê exigido pela patroa, acariciar a sua primeira carteira de trabalho.

A mesa da cozinha viu o cachorro xeretar lata de lixo e o gato lamber os restos que sobraram da louça no jantar.

A mesa da cozinha viu a dona de casa tentar escrever num diário, coisas que ela sente e não tem com quem dividir, a não ser com a luz amarelada do abajur.

A mesa da cozinha testemunhou lágrimas que foram secadas com pano de prato. A mesa da cozinha possui manchas que contam histórias. A mesa da cozinha tem um pé frouxo que ninguém se lembra de aparafusar. A mesa da cozinha já amparou carteados, velas acesas em dia de temporal, cinzeiros abarrotados, a roupa passada e dobrada antes de ir pra gaveta.

A mesa da cozinha viu tudo.




(Escrito por Martha Medeiros em 26 de maio de 2013)

terça-feira, 22 de novembro de 2016

MEDITANDO BLUE - - Uma dica para viver bem - - Neo Cirne

MEDITANDO BLUE


O ritmo frenético e as pressões implacáveis da vida moderna estão levando um número cada vez maior de pessoas a se interessar pela meditação. Essa antiga prática de relaxamento tem proporcionado a milhões de seres humanos a capacidade de se desligar dos problemas e desenvolver uma visão mais clara das coisas, melhorando sua qualidade de vida em todos os aspectos.



Não faz mal que você seja um iniciante, aos poucos você vai desenvolver uma abordagem mais sistemática do poder da meditação e observará que uma nova forma de enxergar a vida está se desenvolvendo em você.
Procure desmitificar os caráteres esotéricos da meditação e enfatize o seu caráter prático, assim você se beneficiará do momento de meditação e absorverá a positividade desse instante de luz.


MEDITANDO BLUE
Procure imaginar-se num lugar bem tranquilo, que lhe traga prazer e harmonia. Fixe-o em sua mente e faça dele o seu refúgio. Fique assim por alguns minutos. Se o seu pensamento se dispersar, levando-o a um problema ou em perigo. Imagine-se envolto numa protetora bolha azul, ela será o seu escudo para evitar desviar a sua concentração do lugar tranquilo que imaginou. Por isso dizemos ‘Pense Blue’.


Às vezes, não temos possibilidade de estar num lugar calmo para fazer a nossa meditação. Pelo contrário, estamos na rua, no meio do trânsito dirigindo-nos para o trabalho. Se você não tiver no volante do carro, evidente. Procure desligar-se por alguns segundos e de olhos fechados, retorne a aquela cena de sua meditação e retire de sua mente todas as aflições que lhes cercam. Peça ao Universo para lhe facilitar o dia, Deus estará presente nesse pedido.


Lembre-se que você pode meditar em qualquer lugar. Em casa é sempre o melhor lugar, pois você pode ficar um tempinho a mais. Porém, lembre-se, com dez minutos diários dedicados à meditação básica, você pode obter todo o tipo de benefício, desde o aumento da concentração até a manutenção de uma saúde perfeita. A prática regular da meditação proporciona uma gama de benefícios, pois exerce grande influência sobre os mecanismos da mente. A mente desorientada tem um grande potencial para manter-se preocupada com tudo. Por outro lado, a mente concentrada num único foco de atenção é calma, eficiente e disciplinada.


Você anda angustiado, triste e sem encontrar um rumo em sua vida. Então, fica o nosso conselho de hoje pra você: MEDITE BLUE... você observará que as soluções começarão a aparecer e você será capaz de percebê-las.

Sucesso... Boa Meditação!


Neo Cirne
Colunista de UBAV

Fotos meramente ilustrativas

segunda-feira, 21 de novembro de 2016

BRINDAR A VIDA TORNA A VIDA MELHOR - - Por Neo Cirne


Pra começar bem a semana quero falar sobre "Alegria de Viver" e lembrar que a vida é uma experiência notável, que a mídia e a propaganda negativa insistem em enfeiá-la. Fazem com que vivamos cheios de pensamentos ruins, amedrontados, repletos de raiva, com o coração triste por nos sentirmos incapazes de mudar o mundo semeando bons exemplos e atitudes solidárias. 


Na construção de um mundo melhor é necessário que entendamos que grande parte dos órgãos de informação vivem da desgraça humana, da violência e do infortúnio. As atitudes ruins proliferam aos borbotões - palavra antiga que significa excesso - a mídia informativa navega na contra mão do bem estar e dos bons exemplos, tornando a vida muito pior e sem sentido.
  
O que ganhamos com tanta notícia ruim? Nada! Naturalmente, perdemos um tempo precioso e aumentamos a nossa infelicidade. Nós não sabemos o poder que temos! Com tanto pessimismo poucos conseguem agradecer, se quer, por estarem vivos. As pessoas esquecem-se de Deus e que o voto também tem um poder transformador, quando a eleição é séria. 

As grandes conquistas acontecem dentro de nós. Elas existem na maneira de percebermos a vida e as pessoas. Na hora de escolher nosso candidato não devemos vender o futuro da nação por um sorriso, um tapinha nas costas, uma promessa de emprego ou porque o candidato está na mídia. Podemos mudar tudo com seriedade de propósitos, observando as qualidades e o passado dos candidatos. Votar em gente de princípios evita grandes enganos.


No dia em que entendermos que a felicidade habita em nós, perceberemos que não nos falta nada a não ser o exercício do bem viver. Temos dentro de nós tantas qualidades que nem lembramos que as possuímos, não é verdade? Nós somos: Luz, Alegria, União, Harmonia, Fé, Compaixão, Entendimento, Sabedoria, Equilíbrio, Discernimento, Caridade, Gentileza e somos essencialmente Amor. A partir do dia que entendermos isso, seremos mais felizes. 

Estamos todos interligados nessa imensa trama energética que envolve o planeta e formamos uma grande família terrestre. Na realidade "Todos Nós Somos Um". 



Se você estiver numa encruzilhada da vida, tendo de optar entre o caminho do Bem (difícil) e o do Mal (sedutor), não pense duas vezes, opte pelo do Bem. Em sua estrada da vida, semeie o bem, leia boas novas para os seus amigos e entes queridos, das sementes positivas nascerão os bons frutos que alimentarão nossos sonhos de dias melhores.

Não se deixe abater, mantenha a sua paixão pela Vida. Enalteça-a, agradeça e brinde a vida. Brindar a vida é a expressão máxima do agradecimento a Deus, pois Ele nos deu a vida. 

Se você anda triste com as notícias ruins, afaste-se delas. Se você tem ódio em seu coração, perdoe-se e reenergize-se na Paz. Assim, você terá mais tempo para reacender a chama que dá tanto prazer a vida e felicidade aos seus dias. Se você perdeu um grande amor tente afastar-se da emoção que está presente em você. Mentalmente perdoe-o e perdoe-se, um encontro feliz não é garantia de um encontro permanente. A vida é assim, pessoas vão e vem. Seja otimista e reconquiste sua alto-estima. Siga em frente, quem sabe logo você encontre um novo amor. 





A vida é uma viagem completa, aproveite-a!

Roberto Shinyashiki, brilhante escritor motivacional, dizia que é necessário que você perceba que existem duas maneiras de viver, da mesma forma que existem duas maneiras de se fazer uma viagem: 

A PRIMEIRA é sair apressado, ansioso, olhando somente para frente, como se você não quisesse chegar atrasado em seu destino e como se precisasse estar atento e preocupado com tudo, com os percalços e os problemas. Provavelmente essa será uma viagem tensa, e você viverá como se estivesse sempre devendo alguma coisa a alguém.

A SEGUNDA é sair tranquilo e despreocupado, e viajar com o propósito de olhar e contemplar a paisagem, conhecer as pessoas, curtir lugares novos, aprender com as pessoas que lhe fazem companhia, sorvendo cada perfume da estrada, observando cada pôr do sol, cada novo cenário e cada amanhecer no caminho. Essa será, certamente, uma viagem que lhe dará prazer e fará você se sentir feliz.

Por qual delas você optaria? A escolha é sua. Os que optarem pela primeira forma de viver dirão que somente as pessoas loucas por viver viajam da segunda maneira. O primeiro grupo vive limitado e economizando amor, sendo prisioneiro do medo. 

Na viagem da vida o nosso destino final será sempre o mesmo. O nosso tempo é precioso demais para ser jogado fora com coisas que não lhe trazem alegria e felicidade. A maneira de você conduzir a sua vida é que faz a diferença. Faça sua parte, trabalhe, lute, persevere intensamente, ame muito, mas mantenha o foco no Bem. 

A Felicidade é companheira da sua maneira de enxergar a vida! Portanto, nunca condicione a sua felicidade a nada, a não ser agradecer por cada novo dia que nasce.


BRINDAR A VIDA TORNA A VIDA MELHOR!


Tenham uma linda semana!


Tim-Tim!


Neo Cirne
Colunista de UBAV-Brasil









domingo, 20 de novembro de 2016

PALAVRAS ILUMINADAS - - (DOMINGO-20/11) - - A Mensagem Positiva de Frei Jaime Bettega


Bom Dia!
O amanhecer deste domingo é motivo de alegria e muita paz. A Igreja celebra a Festa de Cristo Rei. Um Rei diferente: deu a vida por amor à humanidade. Viver é doar-se continuamente. Viver é amar sem reservas!


“E se acaso eu me desviar dos teus caminhos, eu te peço, Senhor, busque-me outra vez.”
(Wanderly Frota)


 A experiência cristã necessariamente vai ao encontro da misericórdia. O ser humano é infinito em qualidades e em bondade. Mas por ser gente, tem lá seus limites e defeitos. Somente Deus é a perfeição. A humildade sempre encontra uma oportunidade para resgatar a essência que cada um carrega consigo. Pedir perdão é tão humano e, ao mesmo tempo, tão divino. Como é bonita a vida de quem vence as tentações que o mundo oferece.

 O esforço em ser cada dia um pouco melhor é um caminho para chegar à santificação. A fé oportuniza retornos, reencontros e também reconstrução da própria estrutura de vida. Desviar-se do caminho não é algo bom. Caso isso ocorra, Deus não deixa de ir ao encontro para renovar as forças, restabelecer a dignidade e reiniciar na santidade.

 O rosto de Deus que Jesus mostrou à humanidade é pleno de bondade e amor. Ele não se cansa de ir ao encontro, nem mesmo de carregar ao colo quem experimentou a fraqueza moral. Tomar outro caminho não é difícil. Pode ocorrer com quem menos se espera.

 Há quem goste de julgar. Deus se ocupa em perdoar e oportunizar a reconstrução do amor. Julgamentos e críticas não contribuem. Uma palavra certa na hora certa tem um efeito transformador. Deus é capaz das melhores e mais insistente busca unicamente por amar sem nenhuma reserva. As pessoas ficam relatando os erros. Deus contabiliza o esforço. Porém, é necessário ter fé.

 Há muitos ‘pedintes’ de milagres. Isso não é espiritualidade. Ter fé é deixar que Deus guie os passos, mostre a direção e perdoe os pecados. Ter fé é deixar de fazer a própria vontade para fazer unicamente a vontade d’Ele.

 Como é maravilhosa a vida de quem confia no Senhor. Bênçãos! Paz & Bem! Santa Alegria! Abraço!



Foto da web meramente ilustrativa 
Texto: Reprodução da página do Facebook de Frei Jaime Bettega. 
Visite-a diariamente, há sempre uma palavra iluminada pra você.





Frei Jaime Bettega é o pároco da Paróquia Imaculada Conceição, em Caxias do Sul, linda cidade da serra gaúcha. Vale a pena vocês conhecerem esta joia do belo Estado do Rio Grande do Sul. Aproveitem para visitar a Paróquia Imaculada Conceição e receberem as bênçãos de Deus através de Frei Jaime Bettega.

Sua palavra vai ao ar diariamente no seu Facebook e está presente na grade de nossa programação, sempre as terças, quintas e domingos. É um prazer retransmitir as palavras de Frei Jaime Bettega. Bom Dia!

MENSAGEM DE DOMINGO - DESFRUTE A VIDA - Por Dulce Magalhães

DESFRUTE A VIDA


A vida pode ser uma aventura maravilhosa, e o uso do tempo é diretamente proporcional à forma como nos beneficiamos dessa aventura. Goethe, grande escritor alemão, dizia que estamos sempre nos movendo em direção a dois destinos, para desfrutar a vida ou para desgostar da vida. Em que direção você se move?

Cada passo muda a estrada inteira, e a estrada afeta a qualidade da jornada. Você está se preparando para o que quer ou para o que não quer? Há pessoas que temem algo e, por isso, se preparam para aquela situação. Tudo bem, especialmente se falamos de um plano de saúde ou de um seguro de acidentes.

Contudo, se o foco estiver voltado apenas para evitar as dificuldades, não produzirá resultados para os seus desejos. Se colocarmos muito em evitar o que não queremos, não haverá tempo, energia e recursos para viver realmente o que desejamos. Se você quer viajar, comece poupando e fazendo o seu passaporte. Escolha o destino, reserve sua passagem e prepare-se para o que deseja.

Por vezes, não nos damos conta que a preparação é a própria vivência. A vida é o tempo todo, não será algo que vem depois. Nesse exato momento, a vida está acontecendo. Pense em desfrutá-la.

Ter tempo é muito bom, mas a forma como usamos esse tempo é o que mais interessa. Desfrutar tem a ver com saborear, e esse processo gera sabedoria, para uma vida bem vivida.

Pense em desfrutar cada instante, aprender com toda ação, estar presente a cada momento, sem se distrair com o que já foi ou com o que ainda não aconteceu. 

Desfrutar é a capacidade de estar muito à vontade no aqui e no agora, experimentando cada pedacinho da vida e percebendo que tudo o que precisa ser feito só merece ser feito se for com a qualidade da plena aceitação, que leva ao desfrute.


TUDO JÁ ESTÁ ACONTECENDO AGORA, DESFRUTE!




Mensagem de Domingo
Fonte: “Superdicas para administrar o Tempo e a Vida”, de Dulce Magalhães.
Editora Saraiva

Foto meramente ilustrativa da web.




quinta-feira, 17 de novembro de 2016

PALAVRAS ILUMINADAS - (QUINTA-17/11) - A Mensagem Positiva de Frei Jaime Bettega


Bom Dia!
Acolhendo esse novo dia, presente do Criador! Procurando por algumas respostas, mesmo sabendo que a vida é especialista em formular perguntas! Vamos lá!



“Não podemos fazer tudo por todos, mas sempre podemos fazer algo por alguém.”



 A vida adquire um novo significado, na medida em que a convivência possibilita laços de afeto e de pertença. Há uma interdependência entre tudo e todos. A solidão, como opção de isolamento, em nada ajuda. Viver é conviver. Há momentos, porém, em que o silêncio torna-se necessário para refazer-se e continuar a trajetória. Mas há algo fabuloso que está ao alcance de todos: fazer o bem.

 As solicitações, por vezes, são exageradas, ao ponto de fugir do alcance de serem perfeitamente atendidas. Impossível fazer tudo por todos. Fazer algo por alguém: isso todos podem. Brota um sentimento de satisfação e de alegria quando é possível estender a mão, ajudar numa situação urgente, escutar um desabafo, abraçar quem enfraqueceu a esperança ou desanimou de lutar.

 Todos os dias as oportunidades se multiplicam: sempre há alguma coisa que pode ser feita. Por outro lado, fazer tudo nem sempre é a melhor forma de ajudar. Há uma dificuldade de fácil constatação: é muito difícil ajudar quem não se ajuda. Porém, ao final de cada dia, a contabilidade pessoal deveria sempre apresentar o bem realizado. Se todas as pessoas conseguissem fazer um gesto diário de bondade, o mundo seria totalmente diferente.

 As pessoas que se dedicam na prática do bem são mais serenas, alegres, satisfeitas. Pensar somente em si é limitar os horizontes e afetar a intensidade da felicidade. Poderia ser até um propósito de vida: nenhum dia sem fazer o bem para alguém. A quantidade não importa. O que conta mesmo são os gestos de amor que simplesmente fazem o coração transbordar de alegria.


 Bênçãos! Paz & Bem! Santa Alegria! Abraço!


Foto da web meramente ilustrativa 
Texto: Reprodução da página do Facebook de Frei Jaime Bettega. 
Visite-a diariamente, há sempre uma palavra iluminada pra você.





Frei Jaime Bettega é o pároco da Paróquia Imaculada Conceição, em Caxias do Sul, linda cidade da serra gaúcha. Vale a pena vocês conhecerem esta joia do belo Estado do Rio Grande do Sul. Aproveitem para visitar a Paróquia Imaculada Conceição e receberem as bênçãos de Deus através de Frei Jaime Bettega.

Sua palavra vai ao ar diariamente no seu Facebook e está presente na grade de nossa programação, sempre as terças, quintas e domingos. É um prazer retransmitir as palavras de Frei Jaime Bettega. Bom Dia!

quarta-feira, 16 de novembro de 2016

A CURA ATRAVÉS DO AMOR - - - Artigo postado por Clara Codd na Revista Sophia

A CURA ATRAVÉS DO AMOR

- Clara Codd -   


Durante muitos anos, o site de UBAV-BRASIL prestigiou aa matérias publicadas na REVISTA SOPHIA, nós chegávamos a distribuir muitas assinaturas bianuais da inestimável revista, que é voltada aos mais diversos assuntos ligados ao pensamento e à vida. 
Até o fim do mês de novembro republicar algumas de suas matérias importantes. Nessa boa matéria de hoje Clara Codd ela fala da Cura através do Amor. Recomendamos a leitura e a querida revista SOPHIA. Entendemos ser uma longa matéria, mas amor não se define em duas linhas. 
Tim-Tim!
Neo Cirne
Colunista de UBAV




Este texto foi desenvolvido a partir de uma pesquisa médica intitulada “A ciência descobre o verdadeiro amor”, que corrobora relatos pessoais que me foram feitos por dois médicos famosos, um nos Estados Unidos e outro na Austrália. Citarei alguns trechos desses relatos.

"Psiquiatras concluíram que a grande maioria das doenças mentais é causada por desamor. Psicólogos infantis, rivalizando por causa da alimentação programada versus alimentação de demanda, ou espancamento versus não espancamento, descobriram que nenhuma dessas coisas faz muita diferença, contanto que a criança seja amada."

"Sociólogos descobriram que o amor é a resposta para a delinquência; criminologistas descobriram que ele é a resposta para o crime. Médicos também descobriram que a promiscuidade sexual ocorre, na maioria das vezes, entre pessoas que foram privadas de amor". Este último trecho lembra tanto o psicólogo Jung quanto J. Krishnamurti, que afirmaram não haver problema sexual que não possa ser resolvido pelo amor.

Os médicos de Chicago também descobriram que a alta percentagem de mortalidade nos orfanatos diminui quando as crianças são cuidadas por mães adotivas afetuosas. Na verdade, o "amor de mãe" são as plumas que forram o ninho dos ser humano; uma criança que não é amada fica aleijada emocionalmente, e frequentemente fica até mesmo atrofiada em seu crescimento físico. Esta é uma descoberta tão importante que somos forçados a indagar o que é o verdadeiro amor.

O artigo prossegue: "Este não é o amor tão comumente retratado em filmes e histórias”. É o amor que Jesus ensinava; o mais simples, porém o mais complexo atributo do homem. Igualmente, o mais incompreendido.
Segundo o Dr. Abraham Stone, de Nova Iorque, 'o amor é o maior remédio, mas a maioria das pessoas, mesmo muitas daquelas que acham que são felizes no casamento, não sabe o que é o amor’.


Podemos começar nossa pesquisa analisando o que o amor não é.


1. Amor não é possessividade: Não é transformar a outra pessoa à nossa própria imagem. Lembro-me de uma mulher que me disse que tinha desistido de uma amizade porque a outra pessoa não correspondia aos seus ideais. "Minha cara", eu respondi, "por que alguém deveria corresponder aos seus ideais? É suficiente que as pessoas sejam elas mesmas".
Às vezes, uma mulher casa-se com um homem fraco e tenta "reformá-lo". Não pode haver equívoco maior. Lembro-me de um homem que me falou sobre seu desapontamento. Ele se casou com uma mulher vinte anos mais jovem, pensando que poderia "formar o caráter dela", e, obviamente, descobriu que o caráter dela havia sido formado há muito tempo.
Esse tipo de amor é um tipo de amor-próprio, de presunção. Não é o verdadeiro amor. Segundo o Dr. Overstreet, "o amor a uma pessoa não implica a posse daquela pessoa. Significa conceder-lhe, alegremente, o pleno direito à sua singular masculinidade ou femini­lidade".

Quantos problemas e quanta infelicidade são causados por mães, maridos, esposas e amigos possessivos! Essa é uma doença comum, e sua raiz está não no amor, mas no amor-próprio. Um grande número de pessoas pensa que ama alguém, mas tudo o que faz é se projetar sobre a outra pessoa.

Pais egoístas, que mantêm a filha cuidando deles, acham que a amam, mas na realidade só amam a si mesmos e ao conforto que a presença da filha lhes traz. A esposa ou marido ciumento não está amando seu parceiro, mas sofrendo de um ataque de amor-próprio. É exatamente isso que o ciúme é: não uma prova de amor, como popularmente se supõe, mas uma evidência de amor-próprio.


2. Amor não é dependência: 
Existe uma adoração verdadeira e uma falsa. O verdadeiro amor não agarra, não se enrosca em torno do ser amado. Não conta com o amado para realizar a sua felicidade e os seus desejos. Não considera o ser amado como alguém que deva retirar de seus ombros o fardo de tomar decisões, e que deva abrigá-lo de todos os contatos difíceis com a vida.


3. Amor também não é auto sacrifício: 
Embora possa às vezes requerer sacrifício. Mães superprotetoras que sacrificam o seu tempo para mimar e paparicar os filhos, não os estão amando. Estão criando "aleijados psicológicos" para o futuro.


4. Admiração tampouco é amor
Um homem pode pensar que ama sua esposa porque ela é bela, talentosa, competente. Isso não é amor; é aprovação. Pode surgir até da satisfação de possuir um bem tão atrativo. Admiração não é amor. A bajulação frequentemente resulta do amor-próprio do admirador, na esperança de conseguir algo do ser adorado. Essa aprovação pode facilmente tornar-se ódio. Um herói pode ser destruído com a mesma facilidade com que foi adorado.


5. O amor não depende dos atributos do ser amado, mas da habilidade que a pessoa tem de amar.
Se o amor dependesse das qualidades da pessoa amada, como poderia um cafajeste evocar amor sincero? O amor é um vínculo da alma, forjado em vidas passadas. Às vezes esse vínculo, se for muito forte, é reconhecido imediatamente; é o raro fenômeno do "amor à primeira vista".


6. O amor não é sexualidade 
Embora possa glorificar e exaltar o sexo. Quantos homens e mulheres jovens se casam por um superficial impulso sexual, apenas para descobrir que se uniram a um estranho? Os "casamentos feitos no céu" são a união de duas almas que se conheceram e se amaram em outras vidas. Mas são raros. O outro caso é muito mais comum. O que fazer, então? Buscar conhecer o "estranho" e convertê-lo num amigo. Nenhum casamento pode durar se não estiver consolidado pela amizade, não apenas pelo sexo.
Segundo Krishnamurti: "Onde existe amor, o sexo não é problema. É a falta de amor que cria problemas. Quando você realmente ama alguém, você partilha com ele tudo que possui. Amar é ser casto. Somente o homem que ama é casto, puro e incorruptível. É somente para os poucos que amam que a vida de casado tem significado e é indissolúvel. O amor não é sensação nem pensamento. Quando o amor nascer você saberá como amar. Porque nós não sabemos como amar alguém; nosso amor pela humanidade é fictício. Quando você ama, não há um nem muitos, apenas o amor. Somente quando existir amor os nossos problemas poderão ser resolvidos, e conheceremos a bem-aventurança e a felicidade".


7. O "amor de mãe" não é necessariamente amor: 
H. P. Blavatsky diz que o amor comum de mãe não está em um plano elevado. O Dr. William Menniger afirmou: "A melhor coisa que os pais podem fazer é ensinar seus filhos a amar. Mas a única maneira de eles ensinarem a amar é pelo exemplo. As crianças devem receber amor, para que mais tarde possam doá-lo".
Nós não amamos nossos filhos simplesmente protegendo-os e suprindo suas necessidades. Um animal também faz isso. A questão é: até que ponto ratificamos nossas crianças como pessoas? O quanto respeitamos sua individualidade? O quanto nós lhes ajudamos a crescer de maneira independente? Às vezes, as crianças são tão sufocadas, tão arrumadas, tão cuidadas, que ficam sem qualquer iniciativa ou motivação, e tornam-se pessoas problemáticas. Isso acontece mais com filhos de pais ricos do que com famílias pobres, que têm outros problemas, mas onde, pelo menos, as crianças são desde cedo postas em contato com a vida.

Aprendendo a amar

Os médicos e psicólogos concordam em que o amor deve ser apreendido, Ele não surge "naturalmente", como se supõe, Krishnamurti diz: "Você não pode pensar a respeito do amor. Ele é um estado de ser."
Talvez em toda a longa peregrinação da alma exista apenas uma lição a ser aprendida: como amar. Pode ser que a perda e a separação aconteçam para nos ensinar essa lição, O que é a agonia de perder um ser amado? Podemos dizer, sem crueldade, que é em grande parte a dor da perda de sua presença confortadora, e que não estamos pensando tanto nela quanto em nós.

Podemos encontrar ou descrever o verdadeiro amor? Sim! Um dos grandes exemplos que temos é o de Jesus Cristo. Nos últimos encontros com Seus discípulos, Ele disse: "Um novo mandamento vos ofereço: que amem uns aos outros como Eu vos amei."
Santa Teresa de Lisieux meditou durante longo tempo sobre essas palavras, para aprender a amar as freiras suas irmãs assim como o Senhor amara Seus discípulos. Ela escreveu: "Agora sei que a verdadeira caridade consiste em suportar todos os defeitos do próximo, sem me sentir surpreendida com os erros, mas sentindo-me edificada com suas menores virtudes."

São Paulo chamou esse amor verdadeiro de caridade, mas não a caridade superficial que consiste de esmolas, geralmente de pequeno custo para o doador. Caridade vem da palavra latina caro, querido. É a qualidade da pessoa para quem todas as coisas são queridas. São Paulo disse que, sem esse amor, todos os dons do espírito ou da personalidade não têm valor algum.
O amor pode esperar e acreditar para todo o sempre. Pode acreditar no amigo quando ele tiver perdido a própria fé em si mesmo. O amor não inveja. Se invejarmos um amigo, não o amamos realmente; ainda existe em nós excesso de amor-próprio. 

Francis Bacon escreveu: "Um amigo é alguém com quem nossas dores são divididas ao meio e as nossas alegrias são duplicadas”.

O amor não se vangloria. O amor não é orgulhoso. Ele é todo ge­nerosidade e humildade. Isento de egoísmo, o verdadeiro amor não pode ser outra coisa a não ser comedido e cortês. O amor é totalmente estável e fidedigno. Não é volúvel, não se altera quan­do encontra alteração. O verda­deiro amor é desinteressado.

O amor não é facilmente provocado; ele é lento para pensar no mal, rápido para perdoar. O amor não se regozija na iniquidade, e sim na verdade. A sinceridade é a marca do amor. O amor jamais tem motivos ocultos, duplos sentidos, aparência mentirosa. É completamente honesto e gentil.

O amor suporta todas as coisas, acredita em todas as coisas, tem esperança em todas as coisas, tolera todas as coisas. Suporta todas as coisas porque está convencido da justiça última. Acredita em todas as coisas com coragem e confiança infalíveis. Tem esperança em todas as coisas porque está consciente de que, no fim, o bem e a alegria devem vencer. Tolera todas as coisas com paciência divina. “A tolerância é a suprema qualidade, e a paciência é toda a paixão dos grandes corações".

O amor surge do conhecimento intuitivo da nossa eternidade, da nossa própria imortalidade. Uma das mais belas descrições do verdadeiro amor vem de uma escritura tibetana, e diz que há sete tipos de amor, três dos quais pertencem aos homens e quatro aos deuses. A primeira forma, e a mais inferior, é a mera atração magnética, como existe entre átomos e moléculas, planetas e sóis. Isso se exaure na união, assim como as polaridades negativa e positiva desaparecem ao se encontrarem. A segunda pode ser chamada de psíquica. Ela existe numa proporção de meio a meio: "eu te amarei se me amares, e lembra-te de que me deves algo por eu te amar". Isso já traz as sementes da sua própria morte. A terceira forma de amor é difícil para os homens; ela tem que ser aprendi­da. É amar o ente querido de tal maneira que se deseje apenas o seu mais elevado bem, e em seus próprios termos.

Por não querer transformar os outros, o amor os transforma. Um amigo é um amante. Ele não dá sermões, não aponta defeitos, não condena; ele liberta.
Você não pode ter as coisas das quais não abre mão. Você não pode ser livre das coisas que você retém. Reter é pertencer à coisa retida, é criar um vínculo. Aquilo que você liberta pertence a você. Você não pertence à coisa, pois você pertence ao amor.
Todas as coisas abaixo do amor aprisionam, esmagam, pressionam, ferem. O amor é a realidade, é o libertador, o fazedor de milagres. Ao fazer os outros felizes, você lhes oferece o sabor do céu na Terra


Um significado para a vida


Há muitos anos, na Austrália, encontrei um grande psiquiatra que era diretor de um asilo para doentes mentais. Uma menina, que foi sua paciente e a quem ele havia curado levou-me para ouvi-lo falar na igreja presbiteriana. Era um homem profundamente religioso, e realizava curas verdadeiramente maravilhosas por meio do amor e da oração. Ele conseguia os mais surpreendentes sucessos com pessoas supostamente incuráveis, especialmente os esquizofrênicos. A raiz do problema dessas pessoas, conforme ele afirmou, era o fato de elas terem se desligado de qualquer significado real para a vida; a cura consistia em restaurar isso com amor, paciência e oração.

Nos Estados Unidos, um médico amigo relatou-me a experiência de outro psiquiatra que tratou um grande número de pessoas supostamente incuráveis, internadas num sanatório ao longo de dez a vinte anos. Quase todos foram curados. O método era muito simples. Entre os pacientes estavam aqueles tão perdidos que permaneciam imóveis e aparentemente alheios à realidade durante horas. Durante horas o psiquiatra permanecia junto a eles, derramando toda a sua afeição e simpatia. Depois de um certo tempo, ele começava a perceber uma pequena resposta. Daí em diante, passo a passo, ele levava essas almas perdidas de volta à luz e à felicidade. O mesmo efeito foi obtido pelo grande Hahnemann, o descobridor da homeopatia, que curou um famoso general que enlouquecera.

Consta das escrituras hindus que a cura involuntária acontece na presença de um homem consciente de Deus. Eu mesma vi dois exemplos disso na pessoa de Krishnamurti. Segundo algumas tradições esotéricas, todo iniciado é um curandeiro inconsciente, pois irradia o tempo inteiro a vida e o amor de Deus. O intenso amor humano também pode curar; o verdadeiro amor, não a vontade. O amor desinteressado, é redentor; é o verdadeiro significado da vida. Sem ele, todas as outras coisas perdem o valor.




O amor
O amor vigia, e dormindo não dorme;
Quando fatigado, não está cansado;
Quando assustado, não está perturbado;
Quando sério, não está constrangido;
Mas como uma chama viva E uma tocha acesa
Ele sempre se eleva,
E com segurança passa através de tudo.
Quem quer que ame, conhece o apelo desta voz.
(Thomas Kempis)


FONTE:

Revista Sophia – Editora Teosófica

Um Brinde À Vida Copyright © 2011 | Tema Desenhado por: compartidisimo | Distribuído por: Blogger