terça-feira, 5 de julho de 2016

FALANDO DE AMOR (XXII) - - O Ciúme e a Infidelidade - - Por Neo Cirne


O CIÚME E A INFIDELIDADE

- O comentário amoroso de UBAV  -


Durante muito tempo a coluna “Falando de Amor” tem abordado temas estimulantes, positivos e até engraçados do relacionamento do casal. Procuramos colocar um pouco de graça e beleza em assuntos bastante delicados, até mesmo no ciúme e na infidelidade, duas atitudes negativas na relação conjugal.

Por ter lido bastante sobre a essência amorosa e ouvido muitos relatos na minha vida clínica (cadeira do dentista parece o divã de um analista), transformei-me num autodidata no assunto.

Ainda jovem, eu sofri bastante com a separação dos meus pais e imaginei que faria tudo para que meu relacionamento desse certo, que fosse a morada definitiva do meu amor, e não foi. Aos 20 anos apaixonei-me por uma mulher maravilhosa, seis anos mais velha que eu, experiente e calma ela agregou à relação o colo amigo que eu necessitava. Normalmente é o contrário, na relação o homem costuma ser o mais velho, essa diferença acrescenta certo tempero e equilíbrio na constituição complexa de um casal.

Quando buscamos um grande amor, o importante é acreditar que conseguiremos encontrar o ser que nos completará integralmente em todos os quesitos. Necessitamos perceber suas qualidades e defeitos (todos nós temos as duas características) e com elas, flexibilizar nossas atitudes para obter um caminho comum direcionado à felicidade.

O homem possui características diferentes da mulher e dependendo das variáveis, uma dessas características é ser mais quieto, falar menos. A mulher possui necessidade de falar com riqueza de detalhes, enquanto o homem fala de maneira breve. Por isso é que a conversa ao telefone entre duas mulheres, normalmente é muito demorada. A mulher não costuma falar diretamente com o parceiro sobre um assunto que deseje muito, ela fala nas entrelinhas e deixa o exercício da resposta para o homem. 

Parece coisa de pescador, que joga a isca e fica aguardando... Aguardando... Aguardando que parceiro fisgue a isca e dê uma opinião no nível de sua ilustração. Sim, ilustração pois a mulher quando fala monta um cenário completo da situação. Por exemplo, um casal foi a um restaurante há algum tempo e gostaram. A mulher, com a proximidade do dia do seu aniversário, desejando retornar ao restaurante para celebrar o dia, espera ouvir um convite do marido, que não vem. Como normalmente mulher não gosta de futebol ela faz um sacrifício e chega próximo do marido, que assiste na sala o futebol de domingo. Ele vê o seu time perder de 4 x 0. Ela chega e diz: - O jogo tá bom? Ele responde secamente: - Tá, para o adversário!

Mesmo assim, ela espera pacientemente o fim da partida para consolá-lo. O jogo está quase acabando. O marido calado, demonstra claramente que "P da Vida". Ela, não segurando mais a ansiedade, aproveita uma parada do jogo e finalmente entra no assunto: 
- Benzinho, lembra do restaurante que fomos no ano passado, lá na serra? Ele é ótimo! Eu gostei muito! O ambiente á agradável, todo bem decorado, comida saborosa, bom atendimento, estacionamento fácil, seguro e é barato. As crianças adoraram, brincaram a valer no parquinho, lembra? 
Nesse instante, o time do marido quase leva o quinto gol... O marido, preocupado com o time que perde, custa a entrar na linha do raciocínio da mulher amada e diz um retumbante: 
- É verdade
A mulher fica aguardando o complemento da resposta. Ela quer um convite, que não vem.

Ela, deixa passar umas horas e mais tarde volta com a mesma pergunta. Ele ouve as notícias políticas e está preocupado com o movimento fraco na loja, com as contas a vencer e a consequente queda nas vendas. E, novamente, ele responde: - É verdade!


Pronto, a partir desse instante, ela passa a ter uma tonelada de pensamentos ruins que vão desde ‘Ele não me dá a mínima!’ até ‘Acho que ele já tem outra!’.

No fundo, esse rodeio nas palavras, sem uma abordagem direta leva a uma conclusão normalmente indesejada. Nesse caso, ele vivia um instante de preocupação e a intervenção da mulher veio numa hora, novamente, inoportuna. O momento reflexivo, era importante para o homem. Com o time do coração perdendo de goleada e a situação econômica indo mal, não há quem consiga, num instante como aquele, dar uma resposta melhor do que um - É verdade. Pois, tudo era verdade, mas ele não tinha condições de momentaneamente decidir nada.

Agora, daí advir uma crise de ciúme, é de uma ‘burrice extrema’. Existem momentos certos para conversar mais profundamente e não quando um dos parceiros está ocupado ou preocupado. Realmente, ela merecia uma resposta melhor, mas o momento não era oportuno. Numa outra oportunidade, onde ele pudesse se concentrar em sua fala, acompanhando com atenção os detalhes da conversa, teria sido melhor para a obtenção do desejado convite.


O CIÚME

O homem é diferente da mulher e muito mais limitado. A mulher tem uma visão espacial e é capaz de perceber os mínimos detalhes, enquanto o homem possui uma visão focal, ele olha para um determinado ponto e tece o seu comentário sem rodeios. Esses pequenos detalhes, se não forem bem administrados pelo casal podem virar terreno fértil para ver crescer os pensamentos ruins ou o vício do ciúme e, esse é o único vício que não dá nenhum prazer a quem o possui.  

Às vezes, o cônjuge que se sente traído passa os seus dias tentando incessantemente descobrir algo que destruirá a sua felicidade, passando a patrulhar o conjugue. Ela invade a caixa de e-mails do marido, cheira suas roupas pra ver se observa algum perfume diferente, vê se tem marcas de batom e controla o seu dinheiro. Ele, quando é ciumento, chega a segui-la no mercado e procura anotar os números das ligações telefônicas que fez. O homem muda seu comportamento e dá a maior bandeira. Logo a mulher percebe que a coisa não vai bem. Gente! Não existe nada mais patológico que o ciúme!

A partir daí ela (ou ele) passa a trazer o parceiro em rédea curta para evitar um comportamento que, caso a pessoa realmente seja um infiel, haverá de acontecer. Melhor seria, disponibilizar o livre arbítrio de suas ações. Assim, se ele (ou ela) realmente tiver o caráter incompatível com o seu ideal, rapidamente haverá de mostrar. Neste caso, perderemos menos tempo com a pessoa errada. Aquela, sem dúvida, não nos quer bem como desejamos. 
Por outro lado, se a pessoa for fiel e tiver uma boa conduta, dificilmente aceitará uma vigília permanente e não suportará por muito tempo ser constantemente posta em dúvida. É difícil entender que isso destrói qualquer relação.


Minha avó Noélia dizia aos netos: “O ciúme é o sentimento das pessoas limitadas, que expõe a fragilidade e a insegurança de quem o sente”. Acho que ela estava corretíssima.


A INFIDELIDADE

Tem gente que acha muito normal ser infiel, mas morre de medo de ser, (desculpe o termo) chifrado! Esse tipo de raciocínio permeia a mente de homens e mulheres. Não sei o que é pior, entre ser traído ou ser o traidor. Num relacionamento, o respeito deve ser mercadoria de troca. Basta que não façamos ao outro o que não queremos que façam conosco. Existe, porém, o caso da traição física justificável. Ela aconteceria quando uma das partes viesse a ser frequentemente rejeitada sexualmente pela outra, sem razão plausível para isso. O que será que leva uma pessoa a condenar a outra à castidade? Sejamos razoáveis. Na hora do ‘rala e rola’, sempre surge aquela indisposição... Aquela dor de cabeça. Convenhamos que, uma enxaqueca durando quatro meses ou mais, é um 'problemão'. É um caso médico de urgência!

É certo que a rotina do casal diminui o ímpeto do apetite sexual e pode enfraquecer todos os aspectos comuns. O segredo para evitar a infidelidade é sempre, diariamente, despertar no parceiro o prazer de estar ao seu lado. Faça-lhe surpresas agradáveis. Convide-o para um cinema ou teatro. Reúna os amigos para um 'junta prato' - onde cada um traz um pratinho de salgados ou doces. Bole brincadeiras legais, mexa com o seu desejo. Troque carinho sem medir a quantidade de beijinhos. 
Quando um parceiro ama verdadeiramente, ele não substitui o ser amado por outro, ele encontra caminhos para tocar o seu coração e motivar-lhe a ser feliz ao seu lado.


Os relacionamentos amorosos não possuem Código de Defesa do Consumidor e se qualquer pessoa que esteja nos lendo estiver vivenciando uma situação semelhante, por mais doída que seja, é melhor reavaliar a sua postura. Uma boa conversa pode reavivar sonhos, evitar desgastes amorosos e resgatar um delicioso caminho comum.

Valorize o seu amor! Pela manutenção do amor verdadeiro vale tudo. 

O ciúme e a infidelidade são destrutivos, já a Confiança e a Fidelidade unem o casal e semeiam dias de luz.




Conclusão de UBAV:

Amigos, é muito bom falar de amor, essa é a maior qualidade da humanidade e por ela temos pautado o nosso brinde à vida. É como dizia Paulo de Tarso, no capítulo 13 de sua epístola dedicada ao amor.

Diz a epístola:

Ainda que eu falasse as línguas dos homens e dos anjos, e não tivesse Amor, seria como o metal que soa ou como o sino que tine. E ainda que tivesse o dom da profecia, e conhecesse todos os mistérios e toda a ciência, e ainda que tivesse toda a fé, de maneira tal que transportasse os montes, e não tivesse Amor, nada seria. E ainda que distribuísse toda a minha fortuna para sustento dos pobres, e ainda que entregasse o meu corpo para ser queimado, se não tivesse Amor, nada disso me aproveitaria.

O Amor é paciente, é benigno; o Amor não é invejoso, não trata com leviandade, não se ensoberbece, não se porta com indecência, não busca os seus interesses, não se irrita, não suspeita mal, não folga com a injustiça, mas folga com a verdade. Tudo tolera, tudo crê, tudo espera e tudo suporta. O Amor nunca falha. Havendo profecias, serão aniquiladas; havendo línguas, cessarão; havendo ciência, desaparecerá; porque, em parte conhecemos, e em parte profetizamos; mas quando vier o que é perfeito, então o que é em parte será aniquilado. Quando eu era menino, falava como menino, sentia como menino, discorria como menino, mas, logo que cheguei a ser homem, acabei com as coisas de menino. Porque agora vemos por espelho em enigma, mas então veremos face a face; agora conheço em parte, mas então conhecerei como também sou conhecido. Agora, pois, permanecem a , a Esperança e o Amor, estes três; mas o maior destes é o Amor.



Tim-Tim!


Neo Cirne
Colunista de UBAV-Brasil


Um Brinde À Vida Copyright © 2011 | Tema Desenhado por: compartidisimo | Distribuído por: Blogger