quinta-feira, 6 de agosto de 2015

NEO-DAY, mensagem para um novo dia feliz - "DIA SIM... DIA NÃO!" - Crônica de Neo Cirne

Neo Day... 
Mensagem para um novo dia feliz

- Por Neo Cirne -


Os altos índices glicêmicos impõem um comportamento regular de exercícios para queimar o açúcar circulante no sangue. O diabetes é uma doença muito chata e silenciosa. Os pacientes têm de aprender a conviver com ela, já que a cura, talvez por 'interesse econômico' - Segundo a OMS, no mundo são aproximadamente 500.000.000 de diabéticos ajudando a engordar os cofres dos grandes laboratórios. Os pacientes pagam caro por uma cura que nunca foi revelada. Uma doença que pela manifestação silenciosa, mutilante e mortal faz com que existam interesses sombrios por traz da cura tão desejada.




Assim, enquanto a cura do diabetes não vem, vou lhes contar uma história que aconteceu comigo. Mas, antes, quero deixar um recado para todos, não  somente para os diabéticos, mas para todos que desejam ter uma saúde equilibrada e obter mais qualidade de vida.

'Devemos exercitar e descansar o nosso corpo sempre,
 sem esta história de dia sim... dia não'. 


Os diabéticos, além disso devem se abster dos refrigerantes, doces, bolos, balas, álcool e qualquer forma de açúcar escondido nos alimentos industrializados. Devem complementar com exercícios físicos regulares para conseguirem queimar o grande inimigo nosso de cada dia, o açúcar.

A alimentação hoje em dia não é tão rígida quanto antigamente, pois existem muitas formas de confeccionar uma refeição apetitosa para o diabético. A presença dos alimentos "diets" (sem açúcar) supriu uma grande lacuna no cardápio dos diabéticos. Os adoçantes artificiais, substituem com qualidade o açúcar refinado e ajudam a melhorar a vida de todos.

Contando um caso...Certa vez, conversando com um grande amigo, Dr. Jorge, médico cardiologista, que trabalhava na Policlínica onde eu trabalhava, me falou da necessidade de todos se exercitarem para ter uma saúde cardíaca de qualidade e que, pelo menos, dia sim e dia não e de preferência, pela manhã bem cedo, todos deveriam realizar seus exercícios.. Naquela época eu ainda não era diabético. 

Recordo que era 1974, eu morava em Icaraí, Niterói/RJ. Estudava na UFF em Niterói e trabalhava no centro do Rio de Janeiro, onde começava a trabalhar as 07:00. Era uma vida puxada, mas fazia parte de uma rotina que levaria ao crescimento intelectual e profissional.


A Ponte Rio-Niterói, tinha sido recém inaugurada, era uma mão na roda. Pois, antes de 1974, eu saía de casa antes das 05 horas, pegava um ônibus, depois a barca para fazer a travessia da Baía de Guanabara, depois pegava outro ônibus para chegar na Policlínica, onde trabalhava. 

Agora, com a nova ponte, eu levava de carro 35 minutos de casa ao trabalho. Até poderia dormir um pouquinho mais pois eu chegava cansado da faculdade às 23 horas e ia dormir perto de 1 (uma) hora da manhã. Dormia 4 horas por noite. Era um corre-corre danado, eu necessitava descansar, aproveitando esta horinha de sono que me sobrava. 




Pensava em dormir mais, porém lembrava-me do conselho médico, de que deveria caminhar pelo menos 1 hora e bem cedo. Como eu morava a duas quadras da Praia de Icaraí, caminhar cedinho vendo o dia amanhecer e com a vista do Pão de Açúcar e do Cristo Redentor abençoando a caminhada, parecia uma tentação, devia ser uma delícia, pensava. 

ideia de acordar cedo brigava com meu corpo, que pedia cama. Ouvia este diálogo entre o meu corpo e a minha consciência, toda noite:
O meu corpo dizia: - Seu bobo, fique um pouco mais na cama, relaxe! 
Enquanto isto, a minha consciência gritava: - Seu bobão, levante esta bunda da cama, calce o tênis e vai dar uma caminhada. Amanhã você descansa uma hora a mais. Lembre-se é Dia Sim... Dia Não!

Cadê que eu saía da cama...

A dúvida permaneceu por alguns dias. Até que, conversando com um vizinho, Dr. Gilberto, que morava no 10º andar, dois acima do meu, ouvi o seguinte relato: 

- Neo, estou me sentindo muito pesado, meio obeso e gostaria de dar uma caminhada na praia pela manhã. E continuou, mas tem que ser pela manhã porque eu acordo muito cedo. Topa? Disse-lhe que SIM. E completou, você vai lá em casa e bate de leve na porta para não acordar as crianças e saímos. Disse-lhe, ok! Assim farei! Até manhã!

Nossa! Era tudo que eu queria... 

Parecia a Voz de Deus me alertando para o compromisso de cuidar melhor da saúde. Fiquei super feliz! Era domingo. Combinamos que dia sim... dia não, iríamos caminhar cedinho, às 5 horas. Eu precisava de uma motivação e ter a companhia de um amigo na caminhada bocejante da manhã, seria tudo de bom. Pensei: Putz, que legal! Dia Sim... Dia Não, vai ser muito bom. Fui dormir!



No dia seguinte, segunda, às cinco horas em ponto, fui ao seu apartamento e bati na porta levemente, com todo cuidado para não acordar as crianças, toc...toc...toc.... Esperei e nada. Pensei, 'vamos lá Neo, tente mais uma vez' toc...toc...toc... Nada. Já tinham passado 10 minutos e nada do Gilberto. Imaginei, deve estar calçando o tênis, pondo o short, coisa assim. 

Enquanto ele não vinha eu saltitava no corredor, ainda animado, aquecendo meu corpo para a caminhada que estava por vir. Nossa! Como está demorando!!! Novamente bati à porta, toc...toc...toc...toc... toc...toc...toc...toc...toc... E nada! 

Passados 20 minutos, bati novamente, toc...toc...toc...toc...toc...toc... 
 Gilberto! Chamei... Gilberto! Gilberto! Mais silêncio! Não resisti, toquei a campainha, estávamos atrasados meia hora. Eu já estava cansado só com o aquecimento que fiz no corredor... Desisti.



Porém, quando ia pegar o elevador, ouvi a porta abrindo, finalmente era o Gilberto, vestido de pijama, com uma xícara de café, calçando pantufas e com a cara amassada pela noite e acompanhado pela mulher e filhos, todos acordados e assustados. Ele me perguntou: 

- Oi Neo, está tudo bem? Algum problema? 

Disse-lhe: Oi Gilberto, não há problema algum. Só estou aqui há meia hora, batendo á porta e lhe chamando, conforme combinamos. Ele retrucou: - O que foi mesmo que nós combinamos? Irritado, mas procurando manter a calma, disse-lhe:

Ontem a noite nós combinamos que, Dia Sim... Dia Não, nós iríamos caminhar na praia. Partiu de você a ideia, lembra? 

- É verdade Neo, estou lembrando agora, da minha parte está tudo certo. 
- Então, vamos? Falei-lhe.
  Ele retrucou: - Mas, hoje?

Sim, Gilberto, agora! Exclamei-lhe.

- Não, Neo, já está tarde e além do mais... HOJE É DIA NÃO!


Dei-lhe, bom dia, virei as costas, peguei o elevador e fui em direção à praia. Nunca vi uma programação de Dia Sim... Dia Não, começar pelo Dia Não... Cansei! 

Logo na esquina a padaria estava abrindo as portas e o cheiro convidativo do pão quentinho, chamou minha atenção. Comprei uns pães e voltei pra casa. Tomei café e fui trabalhar. Levei anos para voltar a caminhar com regularidade, pra ser sincero, mais de 20 anos.

Por causa deste DIA NÃO, naquela manhã quase cheguei atrasado no serviço. Os anos passaram. Semana passada, controlando o diabetes com meu endocrinologista, que também, coincidentemente, chama Gilberto, o ouvi dizer:

- Dr. Neo, senhor está precisando fazer atividade física, pelo menos Dia Sim... Dia Não! 


Sorri discretamente, não tive como não lembrar do seu xará carioca. Que depois do Dia Não nunca mais nos vimos. Aprendi que este negócio de Dia Sim... Dia Não é papo furado e que se for pra manter uma boa forma digo, habituem-se a caminhar diariamente 10 mil passos. Hidratem seus corpos. Arejem suas mentes. Comam em intervalos regulares. Evitem o estresse. E, principalmente, antes de começar qualquer nova tática emagrecedora ou exercícios procurem seus médicos para fazerem uma avaliação da intensidade mais compatível para o seu corpo. Assim evitarão problemas!
A execução do exercício deve ser orientada por um profissional da área de educação física. Essa é a nossa mensagem de hoje:  



Mexa seu corpo, sempre. 
Nada desse papo de Dia Sim... Dia Não!


Tim-Tim!



Neo Cirne
Colunista de UBAV