segunda-feira, 10 de agosto de 2015

AMOR PLURAL - - A primeira mensagem da semana - - Autor Neo Cirne

Amor Plural

* Esta noite sonhei com uma pessoa que amo muito. Por ser uma amizade especial ela sempre esteve presente numa das partes mais importantes do meu corpo, na minha memória. Dizia Charles Chaplin: “O destino une e separa as pessoas, mas, nenhuma força é tão grande para fazer esquecer pessoas, que por algum motivo, um dia nos fizeram felizes”Sim, é verdade.

 Nem sempre podemos esquecer uma pessoa que um dia nos fez bem, que esteve ao nosso lado em ocasiões especiais, que sorriu junto, que sofreu junto, que nos transmitiu o melhor de si, que nos deu esperança, que confiou seus segredos e permitiu que ajudássemos a resolvê-los.

Na vida amamos de diversas formas, não existe somente uma forma de amar, o Amor é plural. Amamos a vida, a natureza, a família, os colegas de trabalho, os conhecidos das redes sociais e amamos, classicamente, a esperança de poder encontrar aquele ser que nos completará com sua alegria e presença amiga. Esqueci, propositalmente, de dizer do amor que temos por nossos amigos verdadeiros, coisa rara hoje em dia. Às vezes, até por carência, amamos nossos falsos amigos. Aqueles que se aproximam de você, tornam-se amigos, sorriem, brincam e encantam, visando conquistar sua amizade e algum benefício extra.

A vida é assim mesmo, ela nos propicia esta múltipla variação do amor. Às vezes, mesmo quando o amor é correspondido, ele nos faz sofrer muito. Mas, isto não pode nos deixar abater. Temos que nos adaptar com a maneira de ser da pessoa que amamos. Amor não é uma brincadeira, como um mergulho na piscina, onde nos atiramos de cabeça. Se não estiver dando certo, o tempo nos ajuda a encontrar a nossa capacidade de perdoar ou não. É importante aceitar as novas pessoas que chegarão à sua vida após uma desilusão, mesmo que muitas vezes fiquemos atrelados à lembrança do amor passado e aos momentos deliciosos que ele nos proporcionou. Mesmo assim, devemos seguir em frente.  

Constituída de momentos bons e ruins, serenos e agitados, novos e antigos, claros e confusos, saborosos e amargos, a Vida afirma a sua dualidade a todo instante.Temos que entender suas flutuações. O amor é flutuante igual a vida, vez por outra ele balança como uma canoa na onda do mar. 

Sempre ocorrem essas variações, assim é o homem e assim é a mulher. Principalmente quando os hormônios mexem com seu humor, fazendo que se isolem e fiquem carentes de uma atenção especial, de carinho e compreensão. Preocupam-se com alguns fios de cabelos brancos e com a perda de algumas dimensões corporais. Isso pode não ser agradável, mas é super normal, geralmente ocorre mais com as pessoas que já passaram dos quarenta anos, onde a carga hormonal e o bio-ritmo começam a dar sinais que o seu corpo está carente, necessitando de mais atenção. Neste período, já tivemos nossos filhos, muitas vezes, já estão adolescentes ou adultos. Fase em que a grande maioria das uniões já se dissolveu. Tornou-se raro o fato de ver um casal maduro juntinho e se amando muito, mesmo após os filhos ficarem adultos, mas é comum ver pessoas maduras namorando novamente e tentando ser felizes. 

A família moderna possui a capacidade incrível de unir, através do amor que se renova e adapta, as pessoas de DNA diferente, filhos que são frutos de outras uniões que, por qualquer motivo, não deram certo e que agora possuem uma nova chance de um relacionamento familiar alegre e feliz. O reflexo deste amor plural, de amar e ser amado, tem sido notado até na Igreja Católica, que tem aproximado mais os casais formados por pessoas separadas e que, com amor, constituíram uma família moderna. 

Só o amor é capaz de unir e reescrever a história, pois o amor é plural. Ele não existe quando é conjugado somente na primeira pessoa. O amor maduro é capaz de adaptar-se ao novo tipo de relação familiar, talvez por ser mais tolerante e compreensivo. As chances desta união dar certo é muito maior do que entre as pessoas inexperientes, jovens ainda, que não sabem nada da vida. 

Uma pessoa entra na fase madura depois de formar-se, de casar, de ter um filho, de sentir-se adulta ou de ganhar na mega-sena, parece brincadeira, mas é verdade. Também, não é necessário chegar à terceira idade para amar, isso é uma bobagem, pois o amor está acima de qualquer circunstância temporal, amamos a nossa vida toda, do nascimento até o último suspiro. 

O amor é o dom mais especial de nossas vidas, por isto, talvez, essa noite, eu tenha sonhado com este sentimento que tanto me fez bem. Um amor amigo... Um amor antigo, que já não vejo mais com frequência, mas que mostrou caminhos com a sua imensa luz e marcou a minha vida, para sempre.

Esperem, não tirem conclusões precipitadas! Não era uma paixão qualquer, era apenas o amor que tenho por uma pessoa amiga. Uma amizade verdadeira, que é quase amor. Amizade singular, que me faz falta até hoje e sei que o tempo jamais apagará da minha lembrança. Há necessidade de amarmos os nossos amigos.

Jesus Cristo pedia mais ainda, dizia para que amássemos nossos inimigos, que se fossemos agredidos por eles, que dessemos a outra face. 

Bom mesmo é ter uma amizade especial e verdadeira, daquela que se emocione junto com você e seja inesquecível. Qual o valor do amigo? Eu diria que, um grande amigo não tem preço. Tal qual um grande amor, ele é tudo de bom. 

Sobre a Amizade, Mário Quintana, poeta gaúcho, notabilizou um pequeno e maravilhoso pensamento, que dizia:




Tim-Tim!


Nota do autor:
Ofereço este artigo a todos os meus amigos, pessoas maravilhosas, as quais amo imensamente. Peço a Deus que derrame sobre todos vocês a Sua luz e proteção, para que estejamos sempre dispostos a brindar a vida que Ele nos ofertou.

Tim-Tim!


Neo Cirne

Colunista de Ubav