quarta-feira, 28 de janeiro de 2015

TIM-TIM ANIMAL - - PROBLEMAS COMUNS EM CÃES NO VERÃO - - Bruna A. Dezorzi


Preocupados com toda forma de vida, retornamos com a nossa seção "Tim-Tim Animal", nela mostraremos curiosidades do mundo animal, daremos dicas na criação de nossos bichinhos de estimação. Estes seres, tão importantes na vida humana, necessitam ser tratados com carinho e dignidade. 

Na matéria de hoje a Drª Bruna A. Derzozi, médica veterinária, nos traz grandes dicas para ajudar o cãozinho a suportar o verão intenso.

Verão

"A estação quente apresenta diversos riscos à saúde dos cachorros. dentre eles a insolação, desidratação e queimaduras na pele" 

"Os cachorros são muito mais suscetíveis ao calor do que as pessoas. Isto porque além da pelagem abundante, eles não possuem glândulas de suor dispersas pelo seu corpo. A perda de calor nesses animais fica restrita à região dos interdígitos (entre os dedos) e do trato respiratório posterior (boca e nariz, pelo resfriamento do ar).




 Para evitar problemas de desidratação, é recomendável redobrar a oferta d'água para os animais em períodos mais quentes. O ideal é que sejam colocadas vasilhas de água fresca em diversos pontos da casa ou do ambiente em que o cachorro vive. Filhotes merecem uma atenção especial nesse aspecto, pois desidratam com muita rapidez, comparados aos cachorros adultos.

A desidratação pode provocar, além do mal-estar, diarreia, vômito, coceiras, problemas de pele, dificuldade de respirar e gastroenterites agudas. Um cachorro que demonstre quaisquer desses sintomas deve ser encaminhado ao veterinário imediatamente.




A insolação, também conhecida como heat stroke ou superaquecimento, é um quadro comum após exercício intenso sobre o sol, ou em casos de cães deixados dentro do carro em dias quentes. Os principais sintomas são: respiração ofegante, prostração e até mesmo diarreia com sangue e/ou urina escurecida (cor de coca-cola). O cão que está com insolação deve ser levado imediatamente ao médico veterinário para receber terapia intensiva. Não é indicado colocar gelo sobre o corpo do cão. A medida mais adequada é mantê-lo em ambiente refrigerado (ar condicionado) até que a assistência médica seja providenciada. 

As raças mais predispostas são os braquicefálicos (de fucinho achatado, como o Bulldogue inglês, Pug e Boxer) e os cães de pelagem densa ( São Bernardo, Bernese, Mountain Dog).




Além do perigo do heat stroke, passeios em horas quentes do dia podem provocar queimaduras nos coxins, as "almofadinhas" dos pés. Os coxins são "sapatos naturais" dos cães e, apesar de resistentes a muitas adversidades, eles estão sujeitos a lesões por alta temperatura, principalmente se tratando de asfalto quente.

Cães com pelagem branca podem sofrer queimaduras de sol, principalmente nas pontas das orelhas e no focinho. O uso de protetor solar nessas regiões é indicado, já que a exposição prolongada, o risco de alguns tipos de câncer de pele aumentam nesses animais.

UMA DICA TIM-TIM!

  




Estes parasitas se tornam mais ativos nos períodos mais quentes do ano. As pulgas passam a maior parte do seu ciclo de vida no próprio cão, porém depositam seus ovos em ambientes onde o animal vive, tornando fundamental que o cachorro utilize anti-pulgas e, em caso de exposição a pulgas, o ambiente seja dedetizado.

Já os carrapatos passam o dia alimentando-se do sangue. Durante a noite descem para outro ambiente para depositar os seus ovos ou trocar a fase de vida. Isso ocorre normalmente em frestas escuras e úmidas, geralmente onde o cão dorme.
Além do incômodo que provocam, os carrapatos podem transmitir doenças como a Ehrlichiose e a Babesiose entre outras.



Tim-Tim!


Drª Bruna é médica veterinária do Hospital Veterinário Pompéia.
Fonte: LINKANIMAL

Um Brinde À Vida Copyright © 2011 | Tema Desenhado por: compartidisimo | Distribuído por: Blogger