segunda-feira, 26 de maio de 2014

"FALANDO SÉRIO" - A palavra da coordenação de UBAV-Brasil - Por Neo Cirne

Meus amigos, bom início de semana. Hoje falaremos de um tema que é fundamental para este projeto social, a interatividade. Espero que entendam o nosso ponto de vista.

Desde a fundação deste projeto social, em 20 de julho de 2006, que tenho falado com os amigos da necessidade da participação de todos para que ele se fortalecesse e pudesse atingir seus objetivos. 
Naquela época, não existia a febre das redes sociais, tínhamos o messenger e os e-mails que nos permitiam um contato seguro e direto. 

Com estas ferramentas o nosso projeto social cresceu, constituímos inúmeros grupos de pessoas solidárias, amantes da causa de ajudar o próximo. Foi maravilhoso! Observem que não tínhamos e nunca tivemos qualquer ajuda financeira e conseguimos dar uma amplitude imensa a esta obra. Nossas ações eram repletas de pessoas engajadas e atingiram seus objetivos, que dentre eles um se destacava, o amor ao próximo. 




 Nossas iniciativas eram coroadas com um êxito absoluto, tinha a participação de todos. Aí, levados pelo aumento crescente de adeptos à causa ubaviana, lançamos o nosso blog em 2011 e imediatamente o transformamos neste site.
 Este layout do site ainda é o original, desde a fundação. A aceitação foi muito boa, porém a quantidade de pessoas que participavam dos nossos grupos sociais diminuiu tremendamente. 
 As pessoas que votavam em nosso concurso de frases, que orbitava a casa das 350 pessoas por votação (por e-mail), despencou para uma média inferior a 30 pessoas. 
 Nossos colaboradores e colunistas, pessoas em que eu acreditava tremendamente, colocaram seus sites (o que é natural), mas abandonaram a nossa obra, demonstrando falta de compromisso. Uns perdem seu precioso tempo postando figurinhas no Facebook, outros, simplesmente, deixaram de lado o seu lado solidário e outros abraçaram outras causas. Porém, este site não pode continuar sendo administrado apenas por uma pessoa, como eu disse no início no ano passado. Cheguei a agradecer a todos que tinham colaborado com a nossa causa e quase me despedi.


Num último esforço, consegui realizar aos "trancos e barrancos", o nosso oitavo concurso de frases, que não conseguiu decolar, mesmo oferecendo boa premiação para incentivar as pessoas a votarem e representarem instituições carentes, nosso foco maior. 


Alguns novos amigos me ajudaram divulgando a obra no Facebook. Paulo Matheus, um amigo virtual, pois ainda não o conheço pessoalmente, pediu-me para ficar divulgando as matérias do site numa página administrada por ele, chamada Ubav Brasil, eu aceitei a ajuda. Porém, com o cancelamento da minha página pessoal do Facebook, entrei em acordo com o Paulo e desde a semana passada passei a administrar o perfil de Ubav Brasil. Lá poderei receber comentários, se assim acharem melhor. Porém, confesso que me assusto com a fragilidade desta ferramenta, o Face.

Recentemente, coloquei uma chamada no site, para aqueles que gostam da nossa obra, voltassem a se comunicar por e-mail, nossa forma mais segura de comunicação. Esperei... esperei dias... e a resposta foi zero. Cancelei o pedido.





A situação é a seguinte: 

Esta obra não será encerrada este ano e nem nunca! Eu continuarei a realizar o meu trabalho social, mesmo que de forma isolada, sozinho, enquanto Deus me permitir. O meu compromisso é, basicamente, comigo e com Deus. Quem quiser chegar e somar mais um nesta corrente de solidariedade e amor que chegue, será muito bem-vindo. 


VOTAÇÃO FINAL DO CONCURSO 2013 - INFORMAÇÃO

Ela ocorrerá no mês de AGOSTO, em data a ser marcada. Votação será aberta a todos os que desejarem participar. Em Novembro realizaremos uma ação final na instituição representada pela frase ganhadora. Assim, será finalizada esta competição literária que durou oito anos e foi de grande alcance, tendo beneficiado centenas de pessoas e mostrado mais de 1100 frases legais.


Bem, eu precisava falar isto pra vocês. Esta é uma obra para ser feita por muitos, mas também poderá ser feita por uma pessoa somente, será possível se tivermos uma carga reduzida de matérias. Se isto acontecer eu continuarei a realizar meus movimentos solidários de maneira anônima, mas em paz com meu coração. 

Espero que entendam a minha mensagem. O site continuará prestigiando as matérias positivas e motivadoras. Prestigiará também a mensagem social dos amigos que quiserem ajudar. 


Bem, é isto aí! Espero que reflitam sobre o que foi dito e comentem por e-mail, se desejarem. Eu continuarei na estrada do amor, é o melhor caminho.

Boa semana!

Tim-Tim!


Neo Cirne 

Fundador, colunista e comentarista

de

UBAV-BRASIL



Tim-Tim!

"A PRIMEIRA MENSAGEM" - A VERDADEIRA POBREZA - Por Neo Cirne

- A VERDADEIRA POBREZA -



Aquela mãe era muito especial. Com dez filhos, ela conseguiu educar sua filha até a segunda série, sem que ela se desse conta da pobreza em que vivia.

Afinal, a menina tinha tudo que precisava: nove irmãos e irmãs para brincar, livros para ler, uma boneca feita de retalhos e roupas limpas que ela habilmente remendava ou, às vezes, fazia.

À noite, ela lavava e trançava o cabelo da filha, para que ela fosse à escola no dia seguinte. Seus sapatos estavam sempre limpos e engraxados.

A menina era feliz na escola. Adorava o cheiro de lápis novos e do papel grosso que a professora distribuía para os trabalhos.

Até o dia em que, subindo os degraus da escola, encontrou duas meninas mais velhas. Uma segredou para a outra:

- Olha, essa é a menina pobre. E riram.

Mary ficou transtornada. No caminho para casa, ficou imaginando porque as meninas a consideravam pobre. Então olhou para seu vestido e, pela primeira vez, notou como estava desbotado, um vinco na bainha denunciava que tinha sido aproveitado.

Olhou para os pesados sapatos de menino que estava usando e se sentiu envergonhada por serem tão feios.

Quando chegou em casa, sentia pena de si própria. Também, pela primeira vez, descobriu que o tapete da cozinha era velho, que havia manchas de dedos na pintura meio descascada das portas.

Tudo lhe pareceu feio e acanhado. Trancou-se em seu quarto até a hora do jantar perguntando-se porque sua mãe nunca lhe contara que eles eram pobres.

Decidiu sair do quarto e enfrentar sua mãe.

- Nós somos pobres? Perguntou de repente e ficou esperando que sua mãe negasse ou desse uma explicação satisfatória.

- Pobres? Repetiu a mulher, pousando a faca com que descascava batatas.

- Não, não somos pobres. Olhe para tudo que temos. Apontou para os filhos que brincavam na outra sala.

Através dos olhos de sua mãe, a menina pôde ver o fogo da lareira que enchia a casa com seu calor, as cortinas coloridas e os tapetes de retalhos que enfeitavam a casa. Viu o prato cheio de biscoitos de aveia sobre a cômoda. Do lado de fora, o quintal que oferecia alegria e ventura para dez crianças.

- Talvez, algumas pessoas pensem que somos pobres em matéria de dinheiro, mas, temos tanto.

E com um sorriso, a mulher se virou para preparar mais uma refeição para sua família. Em sua grandeza, ela nem se dava conta que, a cada noite, ela alimentava muito mais do que estômagos vazios. Ela alimentava o coração e a alma de cada um dos seus filhos.




Comentando

Oi amigos! Selecionei esta mensagem, de autoria desconhecida, para explicar que a pobreza não se mede pelo dinheiro e sim pela determinação, pela esperança e pelos exemplos que temos na formação de nossos caráteres. 

É feliz e rico aquele que acumula a ventura de enxergar a vida de uma forma simples, sem condicionar a sua felicidade a algum bem material. Como fazem alguns jovens, pensando assim: Eu nunca serei feliz se não conseguir viajar à Disney ou então, se eu não ganhar o I pad mais recente... E assim, vão se esquecendo sempre de curtirem a vida em sua totalidade, pois estão sempre condicionando a sua felicidade. 

Olhem a volta! Prestem atenção e vejam a felicidade de terem saúde,  de possuírem uma família ou a de terem uma esperança, um amor. Tudo que vemos por aí, seja na TV, nos cinemas, nos reality shows, verdadeiramente não são realidades. Você encontrará a realidade e a esperança no seu coração, onde mora o seu amor pela vida. 

A pior pobreza que existe é a pobreza de valores, esta sim, condiciona o nosso destino a momentos difíceis, diminuindo a nossa capacidade de reagir. Aí sim poderemos nos considerar profundamente pobres.

Uma linda semana pra vocês!

Tim-Tim!


Neo Cirne

Um Brinde À Vida Copyright © 2011 | Tema Desenhado por: compartidisimo | Distribuído por: Blogger