quarta-feira, 5 de fevereiro de 2014

"TAL PAI... TAL FILHO" - A VOLTA ÀS AULAS - Dicas de relacionamento familiar entre pais e filhos - Por Sueli Santos MG


"Tal Pai... Tal Filho"
 A coluna de relacionamento familiar de Sueli Santos

Bom dia meus amigos queridos de UBAV. Recebi esse texto de uma amiga Mirian Franconeti, psicopedagoga no Instituto Evoluir, que narra como os pais sofrem em deixar seus filhos nas escolas muito mais do que as próprias crianças. Como psicoterapeuta, eu percebo que a insegurança dos pais é transmitida para os filhos que querem corresponder à dificuldade dos pais de perceberem que seus "pequenos" estão começando o processo de voar, de sair para o mundo, e isso, às vezes, deixa os pais assustados, pois percebem que eles já não são o centro do mundo de seu filho. Eles estão crescendo e lentamente adquirindo independência. 

É sempre um prazer compartilhar e escrever artigos para este público maravilhoso de Um Brinde À Vida. Posso, às vezes, levar um tempinho nesta seleção de artigos que tenham a ver com a minha especialidade profissional, mas, de vez em quando, sou brindada com textos como este da Mirian, que esclarece este momento complicado da volta às aulas.

Boa leitura e Tim-Tim!

Sueli Santos


HORA DE VOLTAR ÀS AULAS


Volta às Aulas

Texto de Mirian Franconeti

Adaptação escolar: um desafio para os pais e filhos

Todo ano a mesma história: como será a adaptação do meu filho à escola? Fico na dúvida se a insegurança maior vem dos pais ou dos filhos. Os primeiros dias não são tão simples e fáceis, tanto para crianças maiores que mudam de colégio como para aquelas que trocaram de turma ou série.

Testemunhei muitos choros, não só dos filhos, como das mães. Lembro-me de uma criança de três anos, que demorou muito para se adaptar. Resistia à fome, ao sono e até mesmo à brincadeira. Os pais insistiram e confiaram. Embora tenha demorado mais do que o esperado, ela venceu seus medos, aprendeu a confiar e o resultado do seu desenvolvimento foi surpreendente.

Reconheço que as preocupações dos pais transmitem insegurança ao filho, por uma simples razão: “se minha mãe está nervosa, este lugar não é tão bom”, pensam eles. Existem casos em que a criança chega e logo se sente acolhida, porém a mãe se decepciona, pois esperava uma reação negativa, acreditem.




 Tudo leva tempo

- Para os pais, conhecerem todos os profissionais que passarão a “cuidar” do seu filho.
 - Para as crianças, em relação aos espaços, à rotina, aos profissionais e às outras crianças.
- Para os educadores, dando e recebendo apoio às necessidades não só da criança, como também da família.



Como podemos ajudar?

- O primeiro passo é conhecer a escola. Leve o seu filho para conhecer o espaço e converse com ele, dias antes, para evitar ansiedade.
- Arrume sua mochila, no dia anterior, e convide-o a participar dos preparativos: a colocação do seu nome nos objetos pessoais, e tudo mais que fará parte da sua rotina.
- No caminho, vá lembrando que virá buscá-lo assim que der o horário. No início, procure sempre ser o primeiro a chegar para pegá-lo, pois qualquer atraso, a criança pode sentir que foi abandonada.
- Nunca o compare com outras crianças, respeite-o. É preciso confiar e passar confiança.
- Choros são muito comuns, tanto na entrada como na saída. Respeite-o, olhe como uma conquista a ser superada, nunca desista
- Caso a escola autorize a mãe a permanecer na sala, na primeira semana, por algumas horas, permaneça somente o necessário, para que seu filho passe a entender que aquele espaço é diferente da sua casa, e lá há outras crianças que estão longe de seus pais.
- Se o seu filho ainda mama no peito, evite dar este atendimento perto de outras crianças.
- Na entrada da escola ou da sala, entregue o seu filho com um beijo e a despedida. Não demore. Caso tenha algo a ser falado com a educadora, seja o mais breve possível. Se a criança chorar, vá embora. Isso logo passa, os profissionais estarão aptos para acolhê-la.
- Caso seu filho se recuse a entrar na escola ou na sala de aula, seja firme, o entregue aos educadores e saia. Não tente ter longas conversas, ou promessas, pois é isto que ele deseja: sua atenção, e quanto mais você permanece, mais terá que consolá-lo.



É um grande engano tentar explicar as coisas no momento, uma vez que estarão chegando outras crianças. Ela só compreenderá através do seu comportamento firme e assertivo sem se levar por emoções.

Todos nós passamos por mudanças o tempo todo. Não podemos fixar um período de adaptação, podendo demorar de uma semana até um mês. Por isso, é imprescindível que o processo seja feito com muita determinação e paciência. Grande é o aprendizado dos pais e dos filhos por encaminhá-los a novos vínculos afetivos e sociais.



Comentário da Colunista:

Espero que todos nós, tenhamos aprendido um pouquinho mais sobre este difícil momento de início do ano letivo. Com carinho, paciência e auxílio à autoestima das crianças esta adaptação será muito mais fácil. Se quiserem comentar sobre o tema vocês poderão enviar um e-mail para umbrindeavida@yahoo.com.br - Tal Pai... Tal Filho ou acessar o meu blog.

Bom retorno às aulas!

Obrigado amigos e Tim-Tim! 

Sueli



Sueli Pereira dos Santos
CRT 25.188


Terapeuta Sistêmica (Familia, individual e casal) – Psicopedagoga clínica – Letras - Psicomotricidade e Desenvolvimento Humano – 

Distúrbios/Transtornos de Aprendizagem – Aprendizagem e Psicopedagogia - Bioenergia - Dinâmicas de Grupo - Educação e Psicologia Social/clinica – Leitura corporal - Belo Horizonte - 

www.terapeutasistemica.blogspot.com


"SANTA CATARINA, O LINDO ESTADO DOS EXTREMOS" - Comentário de Neo Cirne

São muitas as hipóteses que tentam identificar esta imensa onda de calor que se estende sobre quase todo o território brasileiro. Aqui, na região onde resido, em Florianópolis, há exatamente seis meses, vivíamos uma sensação inversa. Tivemos uma intensa friagem, tão forte que as montanhas que ficam entorno à Grande Florianópolis, ficaram alguns dias cobertas de neve. E, agora os termômetros beiram, durante o dia, a casa dos 40º C e à noite os 30ºC, mas com uma sensação térmica muito maior. 



O Jornal de Santa Catarina estampou manchete de que atingimos a temperatura absurda de 51,5ºC... Uffa! Para o sulista este é um calor imenso. 

Paranaenses, catarinenses e gaúchos têm sofrido demais com esta onda de calor, parece até que a Terra mudou o seu eixo, aquecendo de forma imprevista, regiões que possuíam clima previsível. Alguns gaúchos já estão chamando Porto Alegre de "Forno Alegre". O brasileiro é bem humorado, mas este assunto é muito sério.


O Estado de Santa Catarina é privilegiado pelos mananciais e represas que possui, mas, devido ao aumento do calor, seus níveis estão em situação de alerta. A maioria de suas cidades localiza-se ao longo dos vales e das serras. Já a sua capital, Florianópolis, junto com outras cidades, faz parte de um grupo de belas cidades litorâneas que encantam qualquer turista. Esta unidade da federação é um orgulho para o Brasil.

A disputa pela condição de ser a cidade mais fria do Brasil está centrada entre três cidades catarinenses: São Joaquim, Urupema e Bom Jardim da Serra. O meteorologista Leandro Puchalski, em declarações dadas ao Portal g1.globo.com, em 23 de julho de 2013, disse que: 

"A sensação térmica na serra, no Morro da Igreja, município de Bom Jardim da Serra, chegou a -25ºC. Um frio fora do comum, para todo o estado". 

Quando vi esta declaração pensei logo: Que friagem maluca é essa? Onde eu vim curar meu reumatismo????

Este frio é coisa antiga...


(2013 - As montanhas na Grande Florianópolis cobertas de neve)


Lembrando o passado...
No ano de 1985, quando conheci o sul do nosso país, era inverno. Fiz um passeio de carro com minha família, mulher e as duas filhas, partindo do Rio de Janeiro com destino ao Rio Grande do Sul. Foram 28 dias inesquecíveis. Aliamos a visualização das belas praias catarinenses com o prazer de conhecer as Serras Gaúchas e retornando pela BR 116, que corta o oeste dos Estados Sulistas. Recordo que, ao retornar, tendo saído de Caxias do Sul, bela cidade da serra gaúcha, dirigi grande trecho sobre um intenso nevoeiro, uma onda de frio se abateu sobre o meu carro. As crianças e a mãe estavam agasalhadas, juntinhas e enroladas em dois cobertores grossos no banco de trás da saudosa Belina 85. Depois que cruzei a fronteira entre o RS e SC parei para abastecer num posto à beira da estrada. Estava na cidade de Lages, no alto da Serra Catarinense. O frentista que veio me atender tilintava de frio (eu também). Na hora de pagar o combustível, ao receber o dinheiro, o frentista foi indagado por um caminhoneiro: Que cidade é esta amigo? (acho que estava perdido devido ao nevoeiro) e perguntou, também, se a cidade era boa pra descansar. Ouvi o frentista responder ao caminhoneiro num tom meio mau humorado com frio que fazia naquele momento:

- Você está na BR 282, em Lages. Esta cidade só serve pra Lageano e pra cachorro lanudo (cãozinho peludo)... Melhor descer pra Florianópolis, completou. 

Este relato serve apenas para enfatizar o frio extremo que existe neste lindo estado. Naquele instante eu fui apresentado ao frio catarinense...brrrr


Quando vim residir aqui em 2011, pensei assim: 

"Eu já morei em regiões que estão, sem dúvida, entre as mais quentes do país: Porto Velho-RO e Rio de Janeiro-RJ, existem outras bem mais quentes, como Cuiabá-MT, Teresina-PI e Caicó-RN, porém eu nunca ouvi falar que nestas regiões citadas nevasse no inverno. O calor não pode ser tão forte, pensei... Ledo engano! É muito forte sim! Neve no inverno e clima abrasador no verão.

Acho que esta dualidade meteorológica de Frio e Calor é, no nosso país, com certeza, exclusividade do Estado de Santa Catarina, pois neste verão, meus amigos, esta onda de calor está me tirando do sério. Está um calor Senegalesco! (comparável ao calor do Senegal). As últimas noites estão difíceis de dormir. Andam super quentes e a água da torneira parece sair de torneiras-térmicas.

Com toda adaptação que tenho às diversas variações climáticas, posso afirmar em alto e bom tom, que Santa Catarina é realmente o Estado dos Extremos, talvez, por isso, Deus escolheu para habitar esta bonita região um povo docemente miscigenado, que traz no sangue a adaptação climática do europeu e a resistência ao calor própria do sertanejo.

Para viver assim, nesta gangorra climática, é necessário que você tenha uma saúde invejável. Agora, você também pode ter certeza de que, adaptado ao clima, neste Estado terá uma qualidade de vida de primeira grandeza. 

Venha viver esta emoção, no inverno ou no verão. Conheça este recanto do país, bom para todos os gostos... Mas, de preferência, venha na meia estação, pois... SANTA CATARINA É, REALMENTE, UM DELICIOSO ESTADO DOS EXTREMOS.

Uma informação útil aos visitantes...

Quando fizerem as malas não esqueçam os agasalhos e a roupa de praia... 


Se fizer calor vá pra Joaquina, Praia Mole ou Jurerê...


Mas, se o tempo mudar e esfriar, bote seu capote, calce suas botas,
suba a serra, ache a neve, tome um chimarrão, 
faça seu boneco de neve, sorria e tire uma foto pra mostrar no Facebook!

Aqui, tudo é possível!!!


  Texto: Neo Cirne
Fundador de UBAV-BR
   Imagens da Web












Tim-Tim!

"A PALAVRA ILUMINADA..." A mensagem positiva de Frei Jaime Bettega OFMcap

Olá amigos queridos, bom dia. Conforme prometemos estamos apresentando mais uma mensagem de Frei Jaime Bettega OFMcap, nosso novo colunista. Sua coluna será chamada de "A PALAVRA ILUMINADA", que significa o momento de receber no coração uma palavra positiva, proporcionando uma interação perfeita entre o escritor e o leitor. 

Em breve, faremos uma viagem à linda cidade de Caxias do Sul para poder nos contatar com Frei Jaime e agradecê-lo pela colaboração que nos dá, permitindo repetir suas lindas mensagens. Aqui em UBAV-Brasil postaremos, inicialmente, duas mensagens de Frei Jaime, sempre as quartas e domingos. Porém, você poderá acessar pelo seu Facebook o endereço https://www.facebook.com/freijaime?fref=ts e saborear todas as mensagens do estimado amigo. Para nós é uma honra contar com um orientador especial como o nosso querido Frei Jaime Bettega. Boa leitura!
(Neo Cirne - Coordenador)



MENSAGEM DO DIA


“Que a felicidade sequestre você e que ninguém possa pagar o resgate!”

Ser feliz não é privilégio de alguns. O normal para todos os humanos é alcançar a felicidade. De um jeito ou de outro, todos são felizes. Não ser feliz deveria ser a exceção. Isto é, alguns poderiam até não ser felizes. Mas, a totalidade das pessoas merece a felicidade.

Ser feliz sempre é a naturalidade da existência. Evidente que nem sempre sabemos definir a felicidade e quando ela chega, achamos que é como nuvem passageira. Felicidade é muito mais do que momentos felizes. Convém recordar que tristeza não é ausência de felicidade, apenas ausência de alegria. Não sei se não somos demais exigentes com a felicidade!? Queremos que ela seja 100%, nas 24 horas do dia.

Talvez seja oportuno recordar que a felicidade advém das pequenas coisas do cotidiano. Além disso, felicidade tem nomes diversos: família, amigos, pão na mesa, saúde, casa para morar... Então, você ainda acha que não é feliz?! Não deixe a felicidade passar para compreender que você era feliz. Aceite que alguns momentos tristes façam parte da sua história. Onde tem humanos a tristeza sempre encontra uma fresta para adentrar. Mas, ela não se esparrama se encontra um coração alegre e otimista. O primeiro passo para sentir e vibrar com a felicidade é a capacidade de agradecer. Comece agradecendo o que você já alcançou e a pessoa que você é!

Um coração agradecido é um coração feliz!

Bênçãos! Paz e Bem! Abraços!

Frei Jaime Bettega OFMcap



Um Brinde À Vida Copyright © 2011 | Tema Desenhado por: compartidisimo | Distribuído por: Blogger