quarta-feira, 5 de fevereiro de 2014

"TAL PAI... TAL FILHO" - A VOLTA ÀS AULAS - Dicas de relacionamento familiar entre pais e filhos - Por Sueli Santos MG


"Tal Pai... Tal Filho"
 A coluna de relacionamento familiar de Sueli Santos

Bom dia meus amigos queridos de UBAV. Recebi esse texto de uma amiga Mirian Franconeti, psicopedagoga no Instituto Evoluir, que narra como os pais sofrem em deixar seus filhos nas escolas muito mais do que as próprias crianças. Como psicoterapeuta, eu percebo que a insegurança dos pais é transmitida para os filhos que querem corresponder à dificuldade dos pais de perceberem que seus "pequenos" estão começando o processo de voar, de sair para o mundo, e isso, às vezes, deixa os pais assustados, pois percebem que eles já não são o centro do mundo de seu filho. Eles estão crescendo e lentamente adquirindo independência. 

É sempre um prazer compartilhar e escrever artigos para este público maravilhoso de Um Brinde À Vida. Posso, às vezes, levar um tempinho nesta seleção de artigos que tenham a ver com a minha especialidade profissional, mas, de vez em quando, sou brindada com textos como este da Mirian, que esclarece este momento complicado da volta às aulas.

Boa leitura e Tim-Tim!

Sueli Santos


HORA DE VOLTAR ÀS AULAS


Volta às Aulas

Texto de Mirian Franconeti

Adaptação escolar: um desafio para os pais e filhos

Todo ano a mesma história: como será a adaptação do meu filho à escola? Fico na dúvida se a insegurança maior vem dos pais ou dos filhos. Os primeiros dias não são tão simples e fáceis, tanto para crianças maiores que mudam de colégio como para aquelas que trocaram de turma ou série.

Testemunhei muitos choros, não só dos filhos, como das mães. Lembro-me de uma criança de três anos, que demorou muito para se adaptar. Resistia à fome, ao sono e até mesmo à brincadeira. Os pais insistiram e confiaram. Embora tenha demorado mais do que o esperado, ela venceu seus medos, aprendeu a confiar e o resultado do seu desenvolvimento foi surpreendente.

Reconheço que as preocupações dos pais transmitem insegurança ao filho, por uma simples razão: “se minha mãe está nervosa, este lugar não é tão bom”, pensam eles. Existem casos em que a criança chega e logo se sente acolhida, porém a mãe se decepciona, pois esperava uma reação negativa, acreditem.




 Tudo leva tempo

- Para os pais, conhecerem todos os profissionais que passarão a “cuidar” do seu filho.
 - Para as crianças, em relação aos espaços, à rotina, aos profissionais e às outras crianças.
- Para os educadores, dando e recebendo apoio às necessidades não só da criança, como também da família.



Como podemos ajudar?

- O primeiro passo é conhecer a escola. Leve o seu filho para conhecer o espaço e converse com ele, dias antes, para evitar ansiedade.
- Arrume sua mochila, no dia anterior, e convide-o a participar dos preparativos: a colocação do seu nome nos objetos pessoais, e tudo mais que fará parte da sua rotina.
- No caminho, vá lembrando que virá buscá-lo assim que der o horário. No início, procure sempre ser o primeiro a chegar para pegá-lo, pois qualquer atraso, a criança pode sentir que foi abandonada.
- Nunca o compare com outras crianças, respeite-o. É preciso confiar e passar confiança.
- Choros são muito comuns, tanto na entrada como na saída. Respeite-o, olhe como uma conquista a ser superada, nunca desista
- Caso a escola autorize a mãe a permanecer na sala, na primeira semana, por algumas horas, permaneça somente o necessário, para que seu filho passe a entender que aquele espaço é diferente da sua casa, e lá há outras crianças que estão longe de seus pais.
- Se o seu filho ainda mama no peito, evite dar este atendimento perto de outras crianças.
- Na entrada da escola ou da sala, entregue o seu filho com um beijo e a despedida. Não demore. Caso tenha algo a ser falado com a educadora, seja o mais breve possível. Se a criança chorar, vá embora. Isso logo passa, os profissionais estarão aptos para acolhê-la.
- Caso seu filho se recuse a entrar na escola ou na sala de aula, seja firme, o entregue aos educadores e saia. Não tente ter longas conversas, ou promessas, pois é isto que ele deseja: sua atenção, e quanto mais você permanece, mais terá que consolá-lo.



É um grande engano tentar explicar as coisas no momento, uma vez que estarão chegando outras crianças. Ela só compreenderá através do seu comportamento firme e assertivo sem se levar por emoções.

Todos nós passamos por mudanças o tempo todo. Não podemos fixar um período de adaptação, podendo demorar de uma semana até um mês. Por isso, é imprescindível que o processo seja feito com muita determinação e paciência. Grande é o aprendizado dos pais e dos filhos por encaminhá-los a novos vínculos afetivos e sociais.



Comentário da Colunista:

Espero que todos nós, tenhamos aprendido um pouquinho mais sobre este difícil momento de início do ano letivo. Com carinho, paciência e auxílio à autoestima das crianças esta adaptação será muito mais fácil. Se quiserem comentar sobre o tema vocês poderão enviar um e-mail para umbrindeavida@yahoo.com.br - Tal Pai... Tal Filho ou acessar o meu blog.

Bom retorno às aulas!

Obrigado amigos e Tim-Tim! 

Sueli



Sueli Pereira dos Santos
CRT 25.188


Terapeuta Sistêmica (Familia, individual e casal) – Psicopedagoga clínica – Letras - Psicomotricidade e Desenvolvimento Humano – 

Distúrbios/Transtornos de Aprendizagem – Aprendizagem e Psicopedagogia - Bioenergia - Dinâmicas de Grupo - Educação e Psicologia Social/clinica – Leitura corporal - Belo Horizonte - 

www.terapeutasistemica.blogspot.com


Um Brinde À Vida Copyright © 2011 | Tema Desenhado por: compartidisimo | Distribuído por: Blogger