domingo, 20 de outubro de 2013

"NEO DAY - mensagem para um novo dia feliz" - - - "RESPOSTA DO TEMPO" - - - Por Neo Cirne

Recostado na poltrona da sala, ouvindo um som e viajando em meus pensamentos, lembrei-me do centenário nosso do "poetinha do amor" Vinícius de Morais, Lembrei do quanto ele foi importante para uma fase poético-amorosa da música popular brasileira. 

Com sutileza, alegria e muitos toques de amor profundo, Vinícius conquistou o mundo. Seus poemas, sonetos, poesias e canções apaixonaram milhares de corações e sua vasta obra, quase toda, tendo como base o amor, serviu de ponte para unir e inspirar muitos casais. 

Vinícius era um eterno apaixonado. Seus olhos infantis tinham um brilho diferente, encantador e especialmente alegre. "Era um parceirão, um grande amigo, um apaixonado pela vida, meu conselheiro e herói de plantão", disse Toquinho, seu parceiro e amigo de longa jornada musical, numa entrevista por ocasião da partida do poetinha. Já não se fazem mais canções como as daquela época! 

Vinícius conquistou o mundo tratando a mulher com cortesia e sedução em suas letras salpicadas de paixão. Com "Garota de Ipanema", feita em parceria com o inesquecível Tom Jobim, Vinícius viu sua música ser cantada por cantores maravilhosos, como, por exemplo, Frank Sinatra, na época considerado o maior cantor americano, sendo apelidado por "The Voice"


Pensei, como o mundo mudou em tão pouco tempo? Por que o tempo passa tão depressa? Parece que foi ontem que Vinícius faleceu. Qual o que! Já fazem 33 anos (ele faleceu em 09 de julho de 1980) aos 66 anos. Grande poetinha, que saudade! 


Realmente o tempo mudou, mudaram-se os cenários. Acho, na minha humilde opinião, que o tempo mudou pra pior, pois a violência e a impunidade tomaram o lugar da segurança das pessoas de bem e a música brasileira ganhou o mundo mais uma vez, com a música "Ai se eu te pego...Ai...Ai!". Pasmem, o mundo inteiro cantou... O
Meu Deus! O que está acontecendo com o mundo? Parece que está sem rumo e carente de amor.

Uma amiga querida, Patrícia Guedes, voltou da Rússia este mês e me disse que numa festa de casamento que rolava no salão de festas de um grande hotel de Moscou, o DJ atacava, repetidamente, com o sucesso de Michel Teló. É... Sucesso é assim, Acontece, não há como contestar. Mas, que o mundo mudou, mudou e muito!  


É tempo de ouvir o coração! Parece que o tempo passou de maneira muito radical, sinto-me em outra dimensão, onde não existe mais amor. Será que não fomos nós que mudamos? Não é assim, se o mundo muda, nós temos que nos adaptar. Mas não mudamos..nós passamos.

Mudaram as canções, mas nada mudou para quem tem bom gosto musical, neste caso, só aumentou a decepção em fatos pontuais. Um deles é a falta de músicas de qualidade. Daquelas que tocam nossos corações com suas mensagens e embalem nossos sonhos.

Ritmos ruins surgiram, passamos a cantar letras sujas, ridículas, umas que ofendem e que denigrem a mulher, tratando-a como objeto vulgar de consumo. Como a música citada acima.

Os grandes nomes da música se aposentaram ou partiram deste plano, deixaram, porém, suas obras eternas. Não tivemos uma reposição artística à altura da qualidade que desejamos. Mas, o tempo, em si, não mudou nada, entendem? Quem mudou fui eu, foi você, fomos nós, que às vezes nos deixamos levar nesta torrente de coisas ruins. Perdemos o bom padrão de qualidade social, atividades políticas e musical.

Ah! O tempo... Concluí que ele não para (como dizia o Cazuza) porque ele, simplesmente, não existe. É tudo fruto de uma configuração imaginária. Portanto, ele não passa... Quem passa somos nós.


Neste instante, curtindo as músicas da futura listagem musical do site Um Brinde À Vida, ouvi a doce voz de Nana Caymmi, cantando "Resposta do Tempo", uma música de 1998, da autoria do poeta Cristóvão Bastos e do querido músico Aldir Blanc, música que em sua estrutura poética talvez fosse a resposta por mim tão desejada. Queria saber se o tempo existe. A letra da música fala de amor e do tempo.

Prestei atenção e viajei legal em pensamentos à uma série de reflexões sobre o tempo e o amor. Percebi então que: o tempo, realmente, é só uma visão métrica dos ciclos solar, lunar e movimentos da Terra. O tempo é um nome dado pelos antigos observadores do céu, pessoas que necessitavam justificar suas teorias astronômicas e marcarem estes ciclos, portanto ele não existe. É uma programação que enquadra e organiza os fatos, somente isto. Já o AMOR é ETERNO. Naturalmente, ficamos dependentes dele para marcar a nossa história, evoluções e fracassos. A história da evolução humana foi marcada no "grande arquivo" que chamamos tempo, este, porém, não tem vida própria e nem poder de interferir, por exemplo, nos amores verdadeiros. O amor pode ser eterno dependendo da sua intensidade, ao tempo resta o dever de marcar a duração de um fato.   


No lindo bolero Resposta do Tempo, confesso que fiquei emocionado com a visão poética do tempo. Nela, destaca-se o diálogo imaginário entre o autor e o Tempo, como numa fábula, o tempo ganha corpo e voz, dialogando suas razões. 
Diz o texto, que percebendo a atitude agressiva do tempo, ao bater na porta da frente de sua vida, o autor bebe um pouquinho pra ter argumento (acreditava que assim sua palavra correria mais solta e objetiva), pois constatava que ficaria sem jeito e calado na argumentação frente a fala do tempo, que julgava poderoso. Diz ainda, que o tempo riria e zombaria do quanto ele havia chorado por um amor. Enfatiza o tempo: Que ele sabe passar e eu não sei, quando o autor fala do seu Amor Perdido... Numa visão dura o tempo diz: que eles, autor e tempo, são iguais, pois não sabem ficar parados. Argumenta que o autor, também não para, quando está vivendo uma relação amorosa e ela, desgastada, se desfaz.

O tempo, sentindo-se poderoso, diz que "ele adormece as paixões"... e o autor responde"Eu desperto", diz isto com tal convicção que chega a ridicularizar o tempo... Diz mais: que o tempo aprisiona e ele liberta... e diz, que o tempo, no fundo, é uma eterna criança, que não soube amadurecer. 


Poeticamente, o autor imagina o tempo girando a sua volta e sussurrando que "ele apaga os caminhos e que os amores terminam no escuro, sozinhos". E o autor finaliza este diálogo dizendo:


"O tempo se rói com inveja de mim, me vigia querendo aprender, como eu morro de amor pra tentar reviver"


Que lindo! É poesia pura... Enquanto o tempo não volta atrás e segue sua marcha à frente, nós, meros mortais,  podemos reparar erros, retornar reencontrando os valores perdidos, reverter situações, reavaliar posturas, perdoar, pedir desculpas (com verdade no olhar) reconquistando um amor que estava perdido. Tudo é possível!



Mensagem de Neo Day:

Este é o ensinamento dos compositores desta pérola da música popular brasileira, que reafirma a nossa certeza de que o tempo não passa apenas porque ele, simplesmente, não existe. Apenas goza fama de imortal, porém, ele é só um conceito, inanimado, sem vida. 
O Tempor é a necessária criação dos homens para marcar seus desenganos. Quanto a nós, que somos meros passantes, devemos nos alegrar, pois somos obras completas de Deus. Nós temos o poder de voltar atrás, tomar novas decisões, mudar o rumo da história e reescrevê-la. Podemos resgatar o que estava perdido... Já o Tempo, não pode! Ele só segue em frente em sua marcha programada e sem graça. Nós podemos ser simples caminhantes na estrada da Vida, é verdade. Mas seremos sempre, se quisermos, dependendo das nossas atitudes, inesquecíveis mortais... Assim como Vinícius de Morais, nosso amado poetinha.


Hoje é Dia da Poesia

A música brasileira é belíssima e a poesia é fundamental para potencializar a emoção... Sentimos muita a falta de novas letras que falem profundamente do amor. Sabemos que a reposição deste acervo é lenta e a divulgação é mínima, infelizmente.

 Agradáveis surpresas musicais acontecem no país, de Norte à Sul, com o aparecimento de novos autores, mas para que elas se transformem em sucesso necessitam de investimento e divulgação. Temos poucas gravadoras que investem no mercado fonográfico. Investem mais em música descartável do que em música de qualidade. A visão destas é imediatista e comercial, não é uma visão poética e nem, tão pouco, amorosa. 

Esquecem-se que poesia amorosa terá sempre um comércio permanente no coração das pessoas de bom gosto. Já a música de consumo imediato...Não dá liga, não se fixa e acaba rápido... Graças a Deus!

As doces palavras do Cristóvão Bastos ou do querido Vinícius de Morais, serão eternas, quer o tempo exista ou não. Eles nunca passarão completamente, pois sempre haverá um romântico de plantão, cantando suas canções ou recitando suas poesias. Tim-Tim!

Precisamos semear na estrada da vida sementes de amor, para que ela seja mais construtiva, humana e feliz. Futuras gerações agradecerão esta doce semeadura, pois o Amor é elemento primordial da existência humana.

(Texto de Neo Cirne)

Tim-Tim!




NEO DAY
orgulhosamente apresenta

A LETRA  E A MÚSICA

Batidas na porta da frente, é o tempo 
eu bebo um pouquinho pra ter argumento 
mas fico sem jeito, calado ele ri 
ele zomba do quanto eu chorei 
porque sabe passar e eu não sei 

Um dia azul de verão 
sinto o vento 
há folhas no meu coração, é o tempo... 
recordo o amor que perdi, ele ri 
diz que somos iguais, se eu notei? 
Pois, não sabe ficar, eu também não sei... 

E gira em volta de mim.
Sussurra que apaga os caminhos, 
que amores terminam no escuro, sozinhos... 

Respondo que ele aprisiona, eu liberto 
que ele adormece as paixões, eu desperto. 
E o tempo se rói com inveja de mim, 
me vigia querendo aprender 
como eu morro de amor, pra tentar reviver 

No fundo é uma eterna criança 
que não soube amadurecer 
Eu posso, ele não vai poder me esquecer! 


RESPOSTA DO TEMPO
(autoria de Cristóvão Bastos e Aldir Blanc)


Um Brinde À Vida Copyright © 2011 | Tema Desenhado por: compartidisimo | Distribuído por: Blogger